Entre neurônios e sinapses. Sábado da ciência: “Cérebro: Viajando pela Linguagem”

Compartilhe
Seg, 19/03/2012 - 14:48
Sábado da Ciência: Semana Internacional do Cérebro

Entre os dias 26 e 31 de março será realizada a aguardada III Semana Internacional do Cérebro na qual o Espaço Ciência Viva participará com a abertura das atividades do museu em 2012 como primeiro Sábado da Ciência com o tema “Cérebro: Viajando pela Linguagem”. Nós do ECV fomos buscar mais informações sobre o que é a Semana do Cérebro e quais novidades teremos neste primeiro Sábado da Ciência que promete ser ainda mais divertido e cheio de conhecimentos novos sobre o funcionamento do nosso cérebro, que entre neurônios e sinapses é a estrutura responsável para que cada um de nós conheça o mundo tal como é e que nos faz capaz de criar a nossa própria representação do mundo usando as diferentes linguagens que inventamos e compartilhamos na nossa vida cotidiana.

A ideia de inserir o Brasil na Semana Internacional do Cérebro surgiu com a participação dos pesquisadores Gláucio Aranha e Alfred Sholl, do Instituto de Biofísica da UFRJ, que, ao participarem de um dos encontros da Society for Neuroscience (SFN), trouxeram para o nosso país esse evento de divulgação científica. Realizado pela Dana Foundation, a Semana do Cérebro atualmente acontece em vários países, se equivalendo a nossa Semana de Ciência e Tecnologia, só que totalmente dedicada ao cérebro. “O nosso trabalho hoje consiste em coordenar e envolver o maior número de instituições e pessoas, de forma integrada, para garantirmos que haja novidades para serem apresentadas ao público. Como é o caso da parceria com o Espaço Ciência Viva (ECV) que deu super certo e este ano está participando mais uma vez deste evento”, afirmou Aranha.

Em sua terceira edição, e após passear pelos órgãos sensoriais e a memória, este ano a Semana do Cérebro terá como temática a linguagem, desde a sua formação em nosso cérebro até os diferentes tipos de linguagem que nós usamos para nos expressar no dia a dia.

O pesquisador responsável pelo Clube de Arte-Ciência, Gláucio Aranha, nos explicou como atividades lúdicas e artísticas podem contribuir para o aprendizado das crianças sobre o funcionamento do cérebro. As atividades do Clube de Arte-Ciência contam com oficinas de contadores de história, jogos eletrônicos para apoiar o ensino de neurociências. Estes jogos fazem parte de uma narrativa que ocorre em diversas mídias e em cada uma delas a criança pode participar lendo quadrinhos em um jogo eletrônico ou de contadores de histórias, tudo isso é pensado para ensinar a criança que, brincando pode adquirir conhecimentos sobre neurociências, ou seja, de um jeito não-formal.

O Clube de Arte-Ciência é parte do Projeto Neuroaventura que será levado ao ECV, pelos pesquisadores que desenvolvem estas atividades. O objetivo é mostrar para as crianças como o processo de contar e recontar uma história envolve partes do cérebro, resgatando uma série de memórias reelaborando-as através da linguagem, o que acaba por enriquecer o universo infantil. O contar histórias surge a partir do momento em que os estímulos vão aparecendo, coloca-se a mão em uma caixa e puxa-se um cérebro, que a partir daí entra na narrativa. Haverá também atividades de pintura em cérebros de gesso para que as crianças bem pequenas possam conhecer as áreas deste órgão.

Na edição, a intenção é mostrar os vários tipos de linguagens corporais que os seres humanos usam, tal como as expressões faciais que fazem parte da linguagem não-verbal e como podem ter diferentes significados, mostrando para as crianças e os adultos que linguagem não é só o que se fala. No Sábado do Cérebro as pessoas vão ter a oportunidade de vivenciar tudo isso, ver na prática como tudo isso funciona, como se pudéssemos ver o nosso cérebro por dentro em funcionamento, através do conhecimento de como se acionam diversos dispositivos cerebrais com as nossas ações.

O Laboratório Aberto de Práticas, como parte do Museu Itinerante de Neurociências">, traz outras atividades, com uma série de oficinas de experiências práticas envolvendo as neurociências. A ideia é desmistificar as ciências e trazê-las para o cotidiano das pessoas.

Ciência e arte: uma parceria possível

O que se chama de arte-ciência hoje é a produção de objetos artísticos que usam técnicas científicas na sua confecção, como exemplo, o uso de microscópio de altíssima resolução, permitindo ver a beleza do universo microscópico. A ciência ou usa técnicas científicas para a produção artística ou usa objetos científicos como matéria-prima para transformar em arte. Como o uso que podemos fazer da fotografia, a partir da imagem do cérebro ou de uma célula, dando tratamento a essa imagem a ponto de desconstruir as suas características técnicas e atribuindo a esse objeto um valor estético. Tendo como objetivo transformar a visão das pessoas, cultivando nelas outra sensibilidade para interpretar a ciência. Isto é, a arte cumprindo sua função estética e também de aproximação das ciências com a vida cotidiana. Uma forma lúdica de divulgação da ciência não apenas para as crianças, mas também para os adultos, sobretudo àqueles que não perderam o entusiasmo por novos conhecimentos. Assim, a ciência adquire a dimensão do prazer e de metáfora da vida, que está em constante transformação adquirindo diferentes níveis de sensibilidade, revelando a beleza das ciências.

A neurociência em foco

Nos últimos anos a neurociência vem ganhando cada vez mais destaque na mídia. Novas descobertas científicas sobre o cérebro e a sua neuroplasticidade, que é a capacidade de se reorganizar criando novas conexões e sinapses. Com isso, se abrem novas perspectivas para as pesquisas estruturando novos campos de estudos que conjugam as funções cerebrais responsáveis pela cognição humana, com as competências do cérebro no aprendizado, da linguagem, memória e das emoções. O desafio para a maioria das pessoas é saber quais informações são confiáveis e outras não. O pesquisador Gláucio Aranha alerta que fontes confiáveis de matérias jornalísticas sobre novas descobertas científicas e da medicina trazem sempre boas indicações para que o leitor possa se aprofundar sobre o assunto pesquisado.

Para saber mais:

www.cienciasecognicao.org

Revista Mente e Cérebro


 Entrevista dada a Bartira Cezar