Pintura coletiva de Redes Neuronais

Compartilhe
Sex, 06/03/2015 - 15:46

Atividades interativas e palestras relacionadas a IV Semana Internacional do Cérebro serão atrações do primeiro Sábado da Ciência do ano de 2015 no Espaço Ciência Viva, que ocorrerá no dia 21 de março de 2015. Nele, a arte e a neurociência vão ser relacionadas e os visitantes poderão fazer parte dessa experiência. Dentre as diversas oficinas que ocorrerão no dia, a pintura coletiva de Redes Neuronais se destaca.

Rede neuronal pintada na placa de madeira


Rede neuronal pintada na placa de madeira

A oficina é bastante participativa e contará com a participação de mediadores do ECV de diferentes áreas do conhecimento, como artistas plásticos, médicos, físicos, biólogos e cenógrafos, representando a complexidade cerebral. Essa atividade foi idealizada pela Dra. Karla Consort Ribeiro, que é especialista em biologia celular, pesquisadora do INPI e coordenadora científica do Espaço Ciência Viva, e transmite aos visitantes algumas características e fundamentos básicos sobre uma das células mais importantes para o funcionamento do corpo humano: o neurônio.

No cérebro do homem, cerca de 86 bilhões desses neurônios estão presentes, com muitas características e componentes semelhantes às de outras células do corpo humano. Porém, eles apresentam uma sensibilidade imensa para perceber cada pequena mudança e acontecimento que ocorre a sua volta, sendo especializados em transmitir impulsos nervosos. Isso ocorre através de sinapses, que são zonas que abrigam as terminações nervosas de neurônios ou entre eles e outras células, como as células musculares ou as glandulares. Assim, os neurônios transmitem os impulsos nervosos entre si, formando uma extensa rede conhecida como rede neuronal.

 Desenho de neurônios, por Ramón y Cajal
Desenho de neurônios, por Ramón y Cajal

A oficina de pintura coletiva de redes neuronais foi inspirada a partir dos primeiros desenhos de neurônios feitos pelo médico e histologista espanhol Santiago Ramón y Cajal, em 1899 (vide desenho acima), e mais recentemente, na reconstrução tridimensional do conectoma que nada mais é do que a realização de um mapa que reconstrói todas as conexões neuronais do sistema nervoso central.

The mind’s tangled web: Electron microscope reconstruction of mouse brain córtex, Berger, N. Kasthuri, H. S. Seung, and J. W. Lichtman (Universidade de Harvard e Instituto de Tecnologia de Massachusetts)
Interconexões complexas na mente: Reconstrução a partir de microscopia eletrônica do cortex cerebral de camundongo.

Imagem produzida por Berger, N. Kasthuri, H. S. Seung, e J. W. Lichtman da Universidade de Harvard e Instituto de Tecnologia de Massachusetts - EUA

Ela é composta por duas etapas: uma na qual o visitante do Espaço Ciência Viva pode conhecer um pouco mais a estrutura de um neurônio e das redes por meio de figuras e vídeos e outra em que o visitante participa da construção coletiva da rede neuronal. Para isso, ele irá assoprar com um canudo tinta nanquim colocada sobre uma tela, o que formará os axônios e dendritos, componentes fundamentais da célula nervosa, bem como as sinapses entre uma terminação nervosa de uma célula e outra. Lúdica e divertida, a experiência tem por objetivo despertar interesse ao tema enquanto facilita a compreensão da biologia dos neurônios, unidade básica do sistema nervoso.  

O cérebro humano é um órgão extremamente complexo e extenso, o que faz com que muito de seu funcionamento ainda seja um mistério. Felizmente, as investigações científicas estão avançando e o conhecimento que temos sobre ele vem aumentando cada vez mais. Assim, a oficina tem uma dinâmica participativa que une arte e ciência de modo a expandir o conhecimento e interesse do visitante. Essas duas características andam juntas nos eventos do museu e, mais uma vez, se apresentam em uma experiência única, capaz de compartilhar conhecimentos através das atividades artísticas realizadas.