Vacina contra Dengue

Compartilhe
Seg, 10/11/2008 - 15:14
Dr. Otávio Azevedo Mercadante

Entrevista com Dr. Otávio Azevedo Mercadante, diretor do Instituto Butantan, realizada em 2008

 O Instituto Butantan anunciou que começará a testar uma vacina contra a dengue em 2008. Segundo os dados divulgados, esta vacina teve 100% de eficácia em testes realizados em macacos e seria capaz de oferecer proteção contra os 4 tipos de vírus da dengue existentes. O Dr. Otávio Azevedo Mercadante, diretor do Instituto Butantan, contou os detalhes sobre os testes e a fabricação da vacina.


ECV - Como e onde os testes serão feitos?
Dr. Otávio - A vacina começa a ser testada no começo do ano que vem, em parceria com a Santa Casa da cidade de São Paulo e hospitais públicos de Guarulhos. A mostra da população escolhida para esta primeira fase será composta apenas de adultos que não tiveram a doença, divididos em dois grupos: vacinados e não vacinados, num determinado ambiente. Com isso, o grupo de pesquisadores do Instituto Butantan poderá fazer um desenho biológico.


ECV - A vacina protegerá contra os quatro tipos de vírus da dengue? Quanto tempo levará até a vacina chegar a toda população?
Dr. Otávio - Precisaremos verificar o grau de proteção da vacina aos quatro tipos de vírus e a devida resposta de anticorpos. Na fase de testes clínicos, vamos ver a composição ideal da vacina para um adulto, a melhor idade, as reações adversas, se haverá necessidade de mais de uma dose. Este processo deverá levar 1 ano, mais ou menos.


ECV - Onde será feita a produção da vacina? Qual o valor estimado e os parceiros na pesquisa como um todo?
Dr. Otávio - Os testes pré-clínicos foram realizados nos Estados Unidos, no Instituto Tecnológico de Massachusetts (Massachusetts Institute of Technology, MIT), com macacos, com uma boa segurança nas respostas de anticorpos. No final de 2009, esperamos estar aptos a produzir a vacina, aqui mesmo no Instituto Butantan, após a etapa regulatória, como a certificação da planta industrial do novo prédio a ser construído; a liberação da ANVISA e o plano de distribuição através da rede do SUS. Estamos trabalhando com verbas externas, provenientes da Fundação Gates, que financiará a compra de equipamentos (como um bioreator) e do MIT no desenvolvimento da vacina. No plano Nacional, o Ministério da Saúde e a Secretaria Estadual de Saúde do Estado de São Paulo estarão financiando a construção do prédio específico para a dengue, no campus do Instituto. No total, o processo deverá ficar entre 15 a 20 milhões de reais. Lembro que, o Instituto Butantan já responsável pela produção de algumas vacinas e, a base tecnológica de produção da vacina contra dengue é bastante semelhante à desenvolvida para a vacina da raiva.


ECV - A vacina seria uma solução eficaz apara a erradicação da doença no Brasil?
Dr. Otávio - A vacina será uma ferramenta ao lado do controle do mosquito. No Brasil há várias dificuldades no combate ao mosquito da Dengue, como falta de saneamento básico, recolhimento de lixo, etc. Por isso, será necessário que a população se mantenha alerta para não manter água parada. De outro lado, é necessário maior investimento na infra-estrutura das cidades. Ou seja, somente um conjunto de ações integradas poderá eliminar a doença no país.


ECV - Houve, este ano, um aumento dos casos de dengue no inverno em muitas cidades brasileiras, como o Rio de Janeiro. A que o Sr. atribui esta incidência?
Dr. Otávio - A temperatura está aumentando em todo o planeta, alterando o ciclo de vida de algumas espécies, como o mosquito Aedes aegypty. Os mosquitos também estão ficando resistentes aos inseticidas, além de não eliminar as larvas. Ou seja, mais uma vez alertamos da necessidade do controle feito por cada um, em suas casas.