Construindo Movimentos – Feminismos Contemporâneos

Matéria original no site do British Council.

Building Movements – Feminismos Contemporâneos é uma iniciativa do British Council, Fundo ELAS, ONU Mulheres e Open Society Foundations que visa fortalecer movimentos de mulheres e meninas, com um olhar particular para coletivos de jovens mulheres e seu engajamento com outros movimentos já estabelecidos.

“Trabalhar com parceiros em todo o mundo em prol da igualdade de gênero é uma importante forma de colaborar com nosso propósito central de construir conhecimento e entendimento entre o Reino Unido e outros países, além de contribuir para um mundo mais seguro, próspero e inclusivo.”
Sir Ciarán Devane – Chief Executive do British Council

Há um movimento de mulheres forte e vibrante na América Latina, considerado entre os mais criativos do mundo. Conexões regionais e internacionais têm um impacto significativo nesses movimentos, trazendo mais visibilidade para suas causas, oportunidades de aprendizado mútuo, troca de estratégias, apoio entre os programas e fortalecimento dos avanços pela igualdade de gênero em diferentes partes do mundo. 

Para acompanhar as atividades do projeto Feminismos Contemporâneos, assine nossa newsletter.

Editais Mulheres em Movimento

Os editais do programa Building Movements – Mulheres em Movimento buscam apoiar projetos com enfoque na mobilização de mulheres para a defesa de seus direitos, em especial formação política feminista e ação feminista coletiva. Realizadas desde 2017, as chamadas são abertas a grupos formais e informais de mulheres, e também redes de ativistas ou de organizações de mulheres, todas que se dediquem democraticamente à promoção e à defesa dos direitos das mulheres e/ou direitos humanos, com experiência de pelo menos um ano de atuação. Conheça os projetos selecionados.

Diálogos Mulheres em Movimento

Realizados anualmente no Rio de Janeiro desde 2017, os Diálogos Mulheres em Movimento reúnem representantes de movimentos de mulheres do Reino Unido, Brasil e outros países da América Latina para debater a situação política e social da região, compartilhar ideias bem-sucedidas de resistência feminista (abordagens, modelos e outros exemplos de boas práticas) e identificar estratégias conjuntas para fortalecer a luta pela igualdade de gênero na América Latina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.