As Células do Cérebro

Análise de culturas mistas de neuronios e gliais usando o anticorpo GFAP NB300-141 (vermelho) e o anticorpo Vimentin NB300-223 (verde). As células fibrobésticas contêm apenas Vimentin e assim são verdes. Os astrócitos contêm vimentin a GFAP (aparecendo dourado) ou predominantemente GFAP (parecendo vermelho). Azul é marcação de DNA nuclear.

O cérebro é um mosaico composto por diferentes tipos de células, cada um com suas próprias propriedades. 

As células cerebrais mais comuns são neurônios e células não neuronais chamadas glia

O cérebro humano adulto médio contém aproximadamente 100 bilhões de neurônios e a mesma quantidade – se não mais – de glia. Embora os neurônios sejam as células cerebrais mais famosas, são necessários neurônios e células da glia para o bom funcionamento do cérebro.

Neurônios

Quando você pensa no cérebro, provavelmente pensa em neurônios. Os neurônios são as células do cérebro que enviam e recebem sinais elétricos e químicos. Eles são blocos de construção do seu cérebro e transmitem informações a outros neurônios, músculos e tecidos por todo o corpo. Eles permitem que você pense, sinta, se mova e compreenda o mundo ao seu redor.

Um neurônio é composto de três partes básicas:

  • o corpo celular, ou soma; 
  • dendritos ramificados que recebem sinais de outros neurônios; 
  • e o axônio, que envia sinais para os neurônios circundantes através do terminal axonal. 

Quando um neurônio dispara um potencial de ação, os sinais elétricos e químicos se espalham do axônio de um neurônio para os dendritos de outro neurônio através de um pequeno espaço chamado sinapse.

Glias

Como os neurônios, a glia é uma célula importante do sistema nervoso. Os cientistas pensavam que a glia era como cola, apenas para manter os neurônios no lugar. O nome “glia” é latino para “cola”.  No entanto, agora sabemos que as células da glia não são apenas cola cerebral. De fato, a glia participa ativamente da sinalização cerebral e é necessária para o funcionamento saudável dos neurônios.

Ao contrário dos neurônios, as células da glia não podem disparar potenciais de ação para comunicar mensagens, mas isso não significa que elas sejam inativas. A glia se comunica entre si e com os neurônios usando sinais químicos e pode até responder a muitos dos mesmos produtos químicos que os neurônios, como íons e neurotransmissores. Isso significa que a glia pode espionar os neurônios, para ajudar a fortalecer as mensagens que são passadas entre eles.

Existem muitos tipos de células gliais no cérebro. Aqui estão três tipos importantes de células gliais:

  • Oligodendrócitos: Um tipo especial de célula glial conhecida como oligodendrócito envolve os axônios dos neurônios, formando o que é conhecido como bainha de mielina. Como o isolamento ao redor de um fio elétrico, os oligodendrócitos isolam o axônio e ajudam os neurônios a transmitir sinais elétricos a uma velocidade incrível e a longas distâncias.

  • Microglia: Microglia são as células imunológicas do sistema nervoso central. Eles se movem dentro do cérebro e se comunicam constantemente com outras glias. Em um cérebro adulto saudável, a microglia está constantemente testando o ambiente quanto a sinais de problemas. Por exemplo, se uma infecção ou doença faz com que os neurônios morram ou sejam danificados, esses neurônios liberam “sinais de perigo” químicos. Microglia reconhece esses sinais e alerta outras micróglias próximas sobre possíveis perigos. Isso faz com que a micróglia circundante encha a área perigosa, onde eles começam a limpar a bagunça. Isso evita a propagação de acúmulos ou detritos no cérebro e protege o cérebro contra inflamações a longo prazo. Depois que o perigo passa, as micróglias voltam ao estado de repouso, continuando a pesquisar o cérebro.
Astrócito. Gerry Sham, 2013. Astrócito cultivado em cultura tecidual marcada com anticorpos para GFAP e vimentin. O GFAP é acoplado a um corante fluorescente vermelho e a vimentina é acoplada a um corante fluorescente verde. Ambas as proteínas estão presentes em grandes quantidades nos filamentos intermediários desta célula, por isso a célula aparece amarela, resultado da combinação de sinais vermelhos e verdes fortes. O sinal azul é DNA revelado com DAPI, e mostra o núcleo do astrócito e de outras células nesta imagem. A imagem foi capturada em um microscópio confocal no laboratório de biotecnologia EnCor.
  • Astrócitos: Astrócitos são células em forma de estrela que circundam os neurônios e suportam a função dos neurônios. Os astrócitos ajudam principalmente a regular o ambiente do cérebro. Os astrócitos também ajudam os neurônios a sinalizar para outros neurônios, passando substâncias químicas de um neurônio para outro. Embora as micróglias sejam as células imunes primárias do cérebro, os astrócitos também podem ajudar a micróglia quando o cérebro está com problemas.

DESTAQUE: Pesquisas em Células da Glia.

Recentemente, os cientistas estão descobrindo novos papéis para as células da glia em doenças. Normalmente, a glia protege e ajuda os neurônios, mas quando elas funcionam mal, podem causar sérios danos.

Estudos em animais mostraram que a inflamação causada pela glia está associada a muitas doenças, como Parkinson, Alzheimer e esclerose múltipla. Esse tipo de pesquisa é importante porque permite que os cientistas examinem doenças humanas em modelos animais. À medida que continuamos a aprender mais sobre a glia, poderemos usar essas informações para tratar essas doenças.

Fonte: DANA FOUNDATION, https://dana.org/article/cells-of-the-brain/ .