Astronomia sem Telescópio: Relógio Lunar

Capa: Grande Relógio Lunar. Parque Astronômico La Punta.

Série AST: Astronomia sem Telescópio. Relógios.

Adaptado de Horacio Tignanelli, El Solar de las Miradas, no Parque Astronómico La Punta. PALP.

Por mais que os caminhos a percorrer sejam árduos, o sacrifício não é em vão, é hermoso ter adquirido por meio do próprio esforço novos conhecimentos e experiências. Guido Buffo (1885 – 1960)

Entre os instrumentos do El Solar de las Miradas, foram incluídos dois artefatos chamados relógios lunares.

  • um pequeno, como parte da coleção de instrumentos de mão guardados na Torre de Observação.
  • um maior, colocado entre os demais artefatos do prédio.

Não são relógios lunares tradicionais, ou seja, instrumentos que indicam a hora solar ou tempo verdadeiro a partir de uma sombra projetada da luz da Lua; como ocorre com os relógios solares. Deste modo, não são relógios horários estritamente falando.

O relógio lunar utilizado é um dispositivo inventado por Armando Zandanel (1996) da cidade de Chivilcoy (Província de Buenos Aires, Argentina). Armando Zandanel é astrônomo e educador. Autor de livros sobre Astronomia e coordenador do Parque CIELOS DEL SUR (Céus do Sul).

O Parque Cielos del Sur é um Observatório a Olho Nu com a seguinte mensagem: Aprender a Conhecer e Desfrutar o Céu.

Os Relógios Lunares foram incluídos entre os artefatos do El Solar de las Miradas porque se tornaram artefatos bastante relevantes pelas suas possibilidades didáticas, já que permite determinar, de forma aproximada:

  • a hora em que a Lua alcança sua altura máxima sobre o horizonte,
  • e seu horário de nascimento e ocaso (pôr da lua). Em termos horários, pode conter um erro de 15 minutos.

COMO É CONSTRUÍDO?

Consta de três peças principais:

  • um disco maior onde se representa, mediante esquemas ou desenhos, as principais fases lunares em sua sequência habitual, e em sentido contrário aos eixos do relógio (anti-horário), ou seja: Luna Nova, Lua Minguante, Quarto Minguante, Lua Gibosa Minguante, Lua Cheia, Lua Gibosa Crescente, Quarto Crescente e Lua Crescente.
    • um círculo graduado com as horas, numeradas de 0h a 23h, porém posicionadas de forma inversa a como são dispostas no quadrante de um relógio comum.
    • Estão marcados quatro instantes particulares: o nascer (0h) e por do Sol (18h), o meio-dia (12h) e a meia-noite (0h).
  • um disco menor com a direção dos pontos cardeais.
  • um indicador ou flecha.

No site do Parque Cielos del Sur, tem um modelo em papel para cortar e construir, com o título La Luna no Miente (A Lua Não Mente). Além disso disponibiliza vários modelos para construção de Relógios de Sol.
Baixe os arquivos e monte seus relógios solares.

As três peças são combinadas de modo que os discos fiquem concêntricos. O disco menor e a flecha podem girar livremente, pivotando desse centro comum.

Para ativar o Relógio Lunar, são necessários duas circunstâncias:

  • A Lua deve estar visível, e
  • O observador deve poder identificar em que fase se encontra.

COMO USAR?

Deve-se girar o disco menor até que seu norte fique orientado, sobre o disco maior, até a fase reconhecida no céu.

Em seguida, move-se a flecha posicionando-a de acordo com a posição da Lua no céu.

A direção que fica determinada assinalará na escala horária do círculo maior, a hora em que se realiza a observação. Além disso, é possível estimar:

  • A hora de nascimento da Lua no horizonte, lendo a hora que assinala o ponto cardial leste do disco menor, sobre a escala horária do disco maior.
  • A hora da Lua se por (ocaso), lendo a hora que assinala o ponto cardial oeste do disco menor, sobre a escala horária do disco maior.
  • A hora de culminação da Lua, lendo a hora que assinala o ponto cardial norte do disco menor, sobre a escala horária do disco maior.

O Relógio Lunar Manual

O Relógio Lunar que se guarda na Torre de Observação, é composto por dois discos de 60 cm e 40 cm de diâmetro.

Baseado no projeto original de Zandanel, Conrado Federico Kurtz criou uma versão similar, com maior dimensões, que denominamos de Grande Relógio Lunar. Apesar dos fundamentos deste aparato serem os mesmos já mencionados, nesta versão foram incorporadas algumas diferenças significativas.

Apresentação de Conrado Kurtz sobre o Universo em movimento, com Guillermo Baldi (AstroHobby) interpretando a Lua.(foto Gastón Ferreiros). Encontro de Astronomia Sunchales.

O Grande Relógio Lunar consta de um setor anular que cobre um ângulo de 200°, posicionado de tal modo que coincide com o plano do horizonte e com a mediatriz orientada em direção ao norte, de modo que sua concavidade resulte para o sul. Sobre esse setor estão gravados os pontos cardiais leste, oeste e norte.

Este setor anular está montado sobre um pedestal pelo qual passa uma vareta que representa o eixo do Terra e cuja inclinação coincide com a latitude do El Solar de las Miradas e passa pelo centro de curvatura da peça. Nesse ponto se posicionam dois discos concêntricos de distintos diâmetros.

No disco maior foram representados trinta aspectos da Lua (fases), separados por 20° entre si. As fases estão colocadas em ordem crescente, ou seja, desde o Novilúnio (Lua Nova) ao Plenilúnio (Lua Cheia) e em sentido contrário ao movimento de um relógio.

No disco menor estão registradas as horas de 0h a 23h, com frações de 15 minutos, também em sentido anti-horário.

Procedimento de uso

Para ativar o Grande Relógio Lunar, devem ser cumpridas as mesmas duas circunstâncias que mencionamos:

  • a Lua deve estar visível.
  • e o observador deve poder identificar sua fase.

Tudo começa identificando entre as fases representadas no disco maior, a que coincide com a lua real observada. Essa figura deve ser colocada de modo que concorra com a direção horizontal na qual se divisa a Lua nesse instante.

A seguir, gira-se o disco menor, até que a posição da hora do instante de observação coincida com a da fase. Deste modo, pode-se determinar em forma aproximada a hora de nascimento da Lua, que será aquela onde se encontra o ponto cardial leste no setor anular.

Analogamente, a hora da Lua se por pode ser obtida mirando a hora que aparece no círculo menor onde está o ponto cardial oeste, no mesmo setor. Finalmente, para a culminação da Lua deve-se ler a hora que se encontra até o norte, sempre sobre o setor anular.

Se desejar estimar a hora de nascimento, da culminação e do pôr da Lua em qualquer fase, deve-se colocar a fase de Lua Nova do disco maior coincidindo com a hora 12h do disco menor, e a seguir mover o conjunto até que a fase desejada coincida com o norte do setor anular.

Colocado nessa posição, pode-se ler de maneira similar à já descrita: a hora de nascimento no leste, de culminação no norte e do pôr no oeste, sempre no setor anular.

O Grande Relógio Lunar foi feito integramente em madeira semidura (angico). O setor anular possui 120 cm de diâmetro e 2,5 cm de espessura, enquanto que sua largura é de 30 cm.

O pedestal que o sustenta é um poste de seção quadrada, de 10 cm de lado, que foi montado formando um ângulo de 65° em relação ao plano horizontal. Sobre esse pedestal, a 140 cm de altura, foi fixado o setor anular.

A barra que representa o eixo do mundo, é uma vara cilíndrica de 5 cm de diâmetro e 120 cm de comprimento. os diâmetros dos discos maior e menor são 55 cm e 40 cm, respectivamente. Todos os materiais foram tratados especialmente para suportar a intempérie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.