Astronomia Sem Telecópio: Bancos Temáticos e Sol Móvel

Capa: Banco Temático e o Sol Móvel. Parque Astronômico La Punta.

Série AST: Astronomia sem Telescópio. Modelos.

Adaptado de Horacio Tignanelli, El Solar de las Miradas, no Parque Astronómico La Punta. PALP.

No El Solar de las Miradas incluímos uma coleção de assentos para que o visitante descanse e para convidá-lo, também, a parar e contemplar os instrumentos. Esses assentos foram concebidos a partir de diferentes temas vinculados com a Astronomia.

De acordo com seu projeto, cada um dos diferentes bancos temáticos possui um desenho singular, de tamanho semelhante. Não obstante, os assentos em geral são de ao menos 120 cm de comprimento e 40 cm de largura e se encontram a uns 45 cm do nível do piso.

A altura mínima dos respaldos é de 70cm e a máxima, 90cm.

Foram construídos em madeira semidura (zoita), canos metálicos quadrados de distintas medidas e espessura, e lâminas de metal labrado.

Todos os materiais foram tratados especialmente para suportar a intempérie.

Em particular, uma serie de doze (12) bancos foram posicionados no contorno elíptico do prédio. Se trata dos bancos zodiacais, chamados assim pois cada um deles evoca uma das doze constelações do Zodíaco; em uma placa a seu lado são identificados com um número romano e o nome da constelação que representam.

Um detalhe destes bancos é o seguinte:

I. Peixes, em algumas culturas são representados por apenas um peixe, em outras, por dois, unidos por uma corda. Segundo a mitologia grega, a deusa Afrodite e Eros, seu filho, para escapar da perseguição de um monstro, se transformem em peixes e fogem nadando com as colas atadas para não se separarem. Na atualidade, é considerada a primeira das constelações do Zodíaco, já que quando o Sol em seu movimento anual atravessa os hemisférios celestes (no equinócio de março) atravessa Piscis no céu.

II. Áries (O carneiro) grupo de estrelas cuja forma foi identificada com a forma de um carneiro por babilônicos, egípcios, persas e gregos. Por muito tempo, foi a primeira constelação do Zodíaco; mas depois, devido ao movimento de precessão da Terra, passou a ser a imediata anterior, Piscis. Dentro de milhares de anos, será Aquário e assim, sucessivamente.

III. Touro, Este grupo de estrelas é associado a um touro desde a época dos caldeus.

IV. Gêmeos, segundo a mitologia grega, esta constelação recorda a os gêmeos Cástor e Pólux, filhos da mortal Leda e do deus Zeus, heróis que participaram da lenda de Jasón e do Vellocino de Ouro. As estrelas mais brilhantes desta constelação levam seus nomes: Cástor e Pólux.

V. Câncer (O caranguejo), segundo a mitologia grega, se trata de um caranguejo enviado pelos deuses para molestar Hércules, enquanto este lutava contra um monstro. O herói o pisoteou e o matou; em recompensa, a deusa Hera o converteu em uma constelação.

VI. Leão, é uma constelação cuja origem está nas antigas culturas do sudoeste asiático e na Babilônia; representa um leão em atitude passiva, como o da esfinge de Egito.

VII. Virgem, figura de uma mulher segurando espigas de trigo nas mãos. Esta constelação foi associada a diferentes deusas de diversas culturas antigas; por exemplo Astrea entre os romanos, Démeter entre os gregos, o Ishtar entre os babilônicos.

VIII. Libra (A balança), é a única constelação que não representa um ser vivo, e sim um objeto. Para os gregos, representava diretamente a Temis, deusa da justiça, que levava em suas mãos uma balança.

IX. Escorpião, é uma constelação posicionada sobre a franja da Via Lactea. Segundo a mitologia grega sua forma representa o escorpião que matou o caçador Órion. Órion também é uma constelação sobre a esfera celeste, no lado oposto a Escorpião. Uma das Constelações Dinâmicas montadas no El Solar de las Miradas, representando à constelação de Órion.

X. Sagitário (O arqueiro), é uma constelação posicionada sobre a franja da Via Lactea. Sua figura de Sagitário é a de um ser metade homem e metade cavalo (um centauro), que carrega um arco e flecha na mão.

XI. Capricórnio (cabra com cauda de peixe), para algumas das culturas mais antigas, como a caldeia e a babilônica, esta constelação é conhecida como “a cabra”. Segundo a mitologia grega, sua origem se vincula a um episódio ocorrido com Pan, um deus pastor com corpo de homem e patas e cornos de cabra macho. Quando fugia de um monstro, Pan entrou em um rio; a parte de seu corpo que ficou abaixo da água se converteu em peixe, enquanto que a outra, continuou sendo cabra.

XII. Aquário (O aguaceiro), é uma antiga constelação aparentemente criada na Babilônia. É representada de diversas maneiras, porém sempre associadas com a água.

Instalados cerca de 30° uma da outra sobre o Caminho Eclíptico, o conjunto de bancos zodiacais permite construir um singular indicador celeste. Para isso, utilizamos uma escultura, denominada Sol Móvel, que representa ao Sol e é o único dos artefatos incluídos no El Solar de las Miradas que pode ser movido no prédio.

O Sol Móvel se posiciona sobre o Caminho Eclíptico, próximo ao banco zodiacal que corresponde à posição aparente do Sol no Zodíaco em cada época. Deste modo, um visitante pode obter esse dado astronômico, historicamente relevante, somente identificando em que zona do contorno do prédio, dominada por um determinado banco zodiacal, foi colocado o Sol Móvel na data de sua visita.

A escultura do Sol Móvel possui 240 cm de altura, um perfil constante de 10 cm e de frente apresenta uma largura variável, de uns 60 cm em média. A estrutura está unida a uma base quadrada de 120 cm de lado, em madeira e chapa, de 5cm de espessura. O Sol Móvel foi construído em metal laminado e cano estrutural.

Aos 12 bancos zodiacais, se somam outros 14 assentos, os quais evocam diferentes conceitos ou hitos astronômicos e foi distribuído em diferentes zonas do prédio. Eles são:

XIII e XIV. Brilho de Estrelas I Se trata de dois bancos idênticos que refletem a percepção dos autores acerca da principal fonte de informação astronômica: a luz das estrelas.

XV e XVI. Brilho de Estrelas II com outro desenho, estes bancos levam a mesma impronta dos XIII e XIV.

XVII e XVIII. Esfera Celeste Se trata de dois bancos idênticos nos quais os autores plasmaram sua interpretação da esfera celeste.

XIX e XX. Luas Se trata de dois bancos idênticos dedicados aos satélites naturais dos planetas principais que, no jargão astronômico, se denominam também “luas” pelo nome do satélite terrestre.

XXI e XXII. Astro rei Este banco é dedicado ao Sol, por muito tempo considerado o centro do universo.

XXIII. A Mirada. não se podia deixar faltar um banco dedicado as miradas, motivo central do Solar e procedimento básico da Astronomia.

XXIV. Cygnus X-1 Este banco é dedicado à fonte de raios X na constelação Cygnus, e que foi descoberta por meio de um detector a bordo de um foguete, em 1962. Mais tarde, em 1971, se descubriu que Cygnus X-1 era também uma fonte de sinais de radio. E mais recentemente, os astrônomos descobriram que a estrela HDE 226868 está na posição das fontes, tratando-se de uma estrela supergigante azul e que, além, disso gira ao redor de outro objeto, de grande massa, em uma órbita com período de pouco mais de 5 dias. Se trata de uma estrela normal, de grande massa, perto do final de sua existência.

Nesse estranho objeto não há sinais de luz visível dele e algo no mesmo produz raios X. Para muitos investigadores, o modelo que melhor explica estes feitos admite que a companheira da supergigante azul é um buraco negro (que pode ter se formado da estrela que alguma vez foi a companheira espacial de HDE 226868); deste modo, os raios X detectados seriam produzidos conforme o gás da atmosfera da supergigante azul cai até o buraco negro, sendo aquecidos.

XXV. Gigante Vermelha Este banco é dedicado a um particular tipo de estrelas que os astrônomos denominam gigante vermelha. As estrelas chamadas “gigantes” são muito luminosas e possuem uma massa que pode ser centenas de vezes maior que a massa solar; também são muito grandes em comparação a outras, como o Sol, que se denominam, em contraposição, estrelas “anãs”. Por sua vez, as gigantes vermelhas são estrelas evolucionadas, bastante mais velhas que o Sol. Por exemplo, Betelgeuse, na constelação de Órion, é tão grande que seu tamanho alberga a órbita de Marte, e seu diâmetro é quase 400 vezes maior que o diâmetro solar.

XXVI. Herschell Este banco é dedicado a Sir William Herschell (1738-1822), um músico que começou sendo astrônomo apaixonado e, depois de descobrir o planeta Urano, se converteu no astrônomo mais famoso de seu tempo. Em 1785, utilizou pela primeira vez o termo de nebulosa planetaria, para identificar as nebulosas que aparecem como pequenos discos no telescópio. Em 1787, descubriu Oberon e Titãn, dois satélites naturais de Urano. Em 1789, completou a construção de seu telescópio de 1,24 metros de abertura, o maior de sua época. Em 1789 descubriu Mimas e Encelado, dois satélites naturais do planeta Saturno. Em 1793 mediu quanto demora Saturno para girar sobre si mesmo (10h e 16 min, com medida atual de 10h 39,5 min). Em 1800 descobriu a radiação infravermelha proveniente do Sol. Além disso, Herschell “desbancou” o Sol como o centro fixo do universo. Algo semelhante ao que havia feito Nicolau Copérnico, mais de dois séculos antes, quando havia defendido que a Terra não era um astro imóvel nem o centro do universo.

Construiu um dos primeiros mapas de nossa galáxia e elaborou um importante catálogo com mais de 2500 nebulosas. Antes de Herschell se conheciam apenas 100 nebulosas. Este observador extraordinário acreditava ferreamente que a Lua e os planetas eram habitados, que a luminosidade do Sol podia estar limitada a sua atmosfera, que abaixo da couraça de fogo do Sol existia um corpo frio e sólido que inclusive poderia estar habitado, e que as manchas solares eram buracos na atmosfera através dos quais podia chegar a ver-se, em ocasiões, sua superfície gelada inferior.

De acordo  com seu desenho, cada um dos diferentes bancos temáticos possui dimensões diferentes. Não obstante, os assentos em geral são de ao menos 120 cm de comprimento e 40 cm de largura e se encontram a uns 45 cm do nível do piso. A altura mínima dos respaldos é de 70 cm e a máxima, 90cm.

Foram construídos em madeira semidura (zoita), canos metálicos quadrados de distintas medidas e espessuras, e lâminas de metal lavrado.

Todos os materiais foram tratados especialmente para suportar a intempérie.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.