Astronomia Sem Telescópio: Cata-Ventos

Capa: Veletas (Cata-ventos), Parque Astronômico La Punta.

Série AST: Astronomia sem Telescópio. Instrumentos.

Adaptado de Horacio Tignanelli, El Solar de las Miradas, no Parque Astronómico La Punta. PALP.

Segundo uma acepção, a palavra veleta deriva do latim velum, que significa vela. Outra interpretação indica que veleta procede do árabe beleta, que indica deambular, ir de um lado a outro.

O antecedente mais antigo registrado das veletas parece se encontrar no antigo Egito, onde eram utilizadas as figuras de certos animais para indicar a direção dos ventos.

Em português, as chamamos de cataventos, sendo muito comuns os de forma de galos.

A posteriori, com excepção da famosa Torre dos Ventos de Atenas, os arquitetos romanos e gregos não se ocuparam muito das veletas.

Durante a Idade Média, as veletas foram um símbolo de senhoria, de nobreza. De alguma maneira, representavam o poder econômico, político, religioso e militar; as principais figuras que as adornavam foram gallos e anjos, por cima de outras figuras como bandeiras, insígnias, escudos ou animais fabulosos. Aparentemente, ambas figuras foram sugeridas desde o Vaticano, no século X. Não obstante, continuaram reservadas a certos edifícios, particularmente os templos e campanários, para mais tarde passar aos fortes e outros edifícios castrenses. Finalmente, as veletas voltaram aos castelos dos reis e ao alto das casas dos cidadãos poderosos.

Em seguida, o rol das veletas teve uma mudança, passaram a ser emblemas e ter um objetivo prático. Isto ocorreu com o desenvolvimento da bússola e ao começar a relacionar as veletas com a rosa dos ventos. As veletas, então, além de serem obras de arte se converteram em instrumentos úteis, como assim também em um meio de comunicação e de expressão.

A Veleta é um instrumento que permite identificar a direção do vento; podendo ser considerado o antepassado do anemómetro, cuja invenção é atribuída a Leonardo da Vinci. Se trata de um sistema mecânico, perfeitamente balanceado e paralelo ao solo, cuja peça principal, a flecha, se posiciona na direção em que a dirige a força do vento.

Em geral, desde o Renascimento, foram incorporadas as direções cardeais para identificar a direção dos ventos. (Leste–Oeste, Norte–Sul).

Diferentes figuras de cata-ventos (veletas).

NO EL SOLAR DE LAS MIRADAS

As veletas incorporadas no El Solar de las Miradas carecem das direções cardeais.

Para reconhecer a direção do vento os visitantes podem identificar os elementos naturais que rodeiam o prédio ou então, associar a posição que adota a figura e a flecha da veleta com as direções marcadas na planta do prédio.

Foi definido uma Zona de Veletas, dentro do prédio. Cada uma delas possui uma figura diferente e dimensões diferentes. São alçadas sobre canos metálicos circulares de 7,5 cm de diâmetro e aproximadamente 200 cm de altura.

As figuras que adornam os instrumentos estão contidas em uma área retangular aproximada de 50 cm por 60 cm, enquanto que a flecha indicadora, 50 cm de comprimento.

Todos os materiais foram tratados especialmente para suportar a intempérie.

2 Comments on “Astronomia Sem Telescópio: Cata-Ventos”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.