Brihat Samrât Yantra: o instrumento supremo

Tipo: Relógio de Sol Equatorial Gigante

(Brihat, Grande. / Samrat, Imperador Supremo).

William Hunter (1755 – 1813) afirma que o próprio Jai Singh inventou o Samrat Yantra, o Jaya Prakasa e o Rama Yantra. Esses três instrumentos são realmente peculiares aos observatórios de Jai Singh e devem, em certa medida, ser atribuídos à engenhosidade pessoal de Jai Singh. GR Kaye, Observatórios Astronômicos de Jai Singh.

Função

Literalmente, seu nome significa o imperador supremo de todos os instrumentos não apenas por conta de sua grandeza, mas também pela sua precisão e excelência de sua construção. Estamos cientes do fato de que, o horário de Jaipur é observado pelo sistema solar, o Samrat serve o propósito de descobrir o tempo local correto até 2 segundos.

Tem três funções astronômicas básicas: dizer o horário durante o dia ou a noite (escala dividida até calibração de 2 segundos), medir o ângulo horário e determinar a declinação de um objeto celeste.

  • O horário diurno é medido com o Sol e o noturno, medido com estrelas. Em um dia claro, enquanto o Sol viaja de leste a oeste, a sombra do gnômon Samrat varre as escalas do quadrante inferior de uma ponta a outra.
  • A declinação e a altitude meridiana do Sol podem ser medidas uma vez por dia neste instrumento, à medida que o Sol transita pelo Meridiano.
  • Há a questão da penumbra (falta de borda fina da sombra devido ao tamanho finito do disco solar) durante o dia, que pode ser eliminada ao sobrepor na penumbra a sombra de um objeto fino para obter uma precisão de +3 segundos.

O Samrat pode ser descrito como um gigantesco relógio solar. Às seis horas da manhã a sombra do gnômon cai no topo do quadrante ocidental a cerca de 15 m de distância, e à medida que o Sol vai subindo, a sombra desce ao longo do arco do quadrante até que ao meio-dia aparente, ele passa pelo centro, o sol estando ao sul e no lugar do gnômon. Mas só por um instante e imediatamente após o meio-dia local, a sombra começa a subir no quadrante leste até que às seis horas da noite, todo o quadrante fica sobre a sombra. O horário solar pode ser lido diretamente pela posição da sombra no quadrante. Adicionando a diferença do tempo do Equador, o Tempo Padrão Indiano pôde ser observado.

À noite, o tempo é observado com a ajuda de um fio. Uma extremidade da rosca é colocada em contato com a borda do gnômon e a outra com a borda de um dos quadrantes. A leitura no quadrante então o tempo que teria ou faltaria transcorrer desde ou antes da estrela ter estado ou vir a passar no meridiano. Como as posições das estrelas e do Sol eram conhecidas em tabelas, uma simples adição ou subtração daria o horário solar.

Um método comum de tomar a declinação do Sol era colocar uma vara ereta sobre a hipotenusa do gnômon, levando-a para lá e para cá e coincidindo a sombra com a sombra do gnômon no quadrante, e assim, a declinação do Sol é observada.

Este instrumento também desempenha um papel importante na vida socioeconômica dos hindus. Os astrólogos e Pandits se reúnem em Aasadh Poornima ou Guru Poornima, o dia da lua cheia de junho ou julho. No momento do pôr-do-sol, uma fina bandeira de musselina é hasteada para descobrir a direção do vento e com isso fazer uma previsão do clima da estação.

Se a bandeira dá a direção da brisa do leste, indica claramente chuvas suficientes, bem como boas culturas, enquanto, por outro lado, se a brisa está denotando a direção sul da bandeira causa escassez de água, menos monções, culturas ruins e fomes. O vento do oeste é o símbolo das inundações, e o vento norte para a abundância de culturas. Este instrumento ainda é usado para descobrir as tempestades, secas, boas chuvas, fomes, inverno e, portanto, culturas boas ou ruins, que são muito importantes na vida dos indianos. Porque na Índia as plantações são muito dependentes das monções.

Forma

O gnômon tem cerca de 27,5 m de altura e tem nichos na parede para que as tempestades não afetem o instrumento. A parede do gnômon está em ângulo reto e a hipotenusa tem degraus para subir. A hipotenusa também tem uma escala para descobrir a altitude do Sol. A hipotenusa aponta para o pólo.

Em ambos os lados do gnômon está um quadrante de alvenaria, os centros dos quais estão na borda do gnômon. As bordas dos quadrantes são graduadas em horas, minutos e segundos. Nesta escala, um minuto foi dividido até mesmo na extensão de 30 partes, desse modo tem uma precisão de até 2 segundos. Há degraus próximos dos quadrantes, para que o observador possa subir e descobrir as leituras do instrumento com precisão.

Material

Escavação forrada com gesso de alvenaria. Superfícies do quadrante e bordas de gnômon em mármore com escamas gravadas. O restante da estrutura é em alvenaria de pedra em argamassa de cal, e superfícies com gesso de cal.

Possui agregado de argamassa vermelha brilhante, não tijolo esmagado, mas pedra de areia vermelha muito áspera com pequena quantidade de material de cal como aglutinante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.