100 Anos UFRJ, Ciência e Arte

Unindo-se a cientistas, artistas, instituições e cidadões de todo o país, o Espaço Ciência Viva dá o parabéns à Universidade Federal do Rio de Janeiro!

Quero dar parabéns à UFRJ pelo seu centenário,

e pela grande contribuição que tem dado à nossa Educação e a nossa Cultura. Paulinho da Viola

Salve a Cultura, Salve a Ciência, Salve o Brasil. Matheus Nachtergael

Parabéns UFRJ por sua brasilidade. Martinho da Vila.

Um beijo à Universidade Federal do Rio de Janeiro , vida longa pra você, valeu. Zeca Pagodinho

Há mais ou menos cem anos
Nós passamos uma situação muito parecida
Como essa que vivemos nos dia de hoje.

O Brasil e a sua capital, Rio de Janeiro,
Tornaram-se um vasto hospital a céu aberto.
Vivíamos o pesadelo da Gripe Espanhola.

O povo sofria a desídia criminosa do governo
Não havia médicos, 
Não havia hospitais.

Enfim, ultrapassamos.
O Carnaval de 1919 foi o alívio,
Como se a folia nos redimisse da peste.

Desde as primeiras horas do sábado, 
Houve uma obscenidade súbita nunca vista
E que contaminou toda a cidade.

Na primavera do ano seguinte,
Uma chama de sabedoria e de conhecimento
Iluminou a nossa escuridão.

UFRJ, CIÊNCIA E ARTE

Baseada em “Ciência e Arte”, samba composto por Cartola e Carlos Cachaça na década de 1940.

Tu és meu Brasil em toda parte

Quer na Ciência ou na Arte

Portentoso e altaneiro

Os homens que escreveram tua história

Conquistaram tuas glórias

Epopeias triunfais

Quero neste pobre enredo

Revive-los, glorificando os nomes teus

Levá-los ao Panteon dos grandes imortais

Pois merecem muito mais

Não querendo levá-los ao cume da cura

Cientistas tu tens e tens cultura

E nestes rudes poemas destes pobres vates

Há sábios como Pedro Américo e Cesar Lattes.

Tu és meu Brasil em toda parte

Quer na Ciência ou na Arte

Portentoso e altaneiro.

Os homens que escreveram tua história

Conquistaram tuas glórias

Epopeias triunfais.

E quero neste pobre enredo

Reviver glorificando, os nomes teus

Levá-los ao Panteon dos grandes imortais

Pois merecem muito mais.

Não querendo levá-los ao cume da cura

Cientistas tu tens, e tens cultura.

E nestes rudes poemas destes pobres vates

Há sábios como Pedro Américo e Cesar Lattes.

Tu és meu Brasil em toda parte

Quer na Ciência ou na Arte

Portentoso e altaneiro.

Mulheres que escreveram tua história

Salve Bertha Lutz, Conceição Evaristo,

Clarice Lispector e …

E quero neste pobre enredo

Revivê-las,

Revivê-las, glorificando os nomes teus.

Levá-las ao Panteon dos grandes imortais

Pois merecem muito mais,

Pois merecem muito mais.

E merecem muito mais.

Salve o Brasil,

Salve a Ciência

e Salve a Arte.

Sou como você me vê
Posso ser leve como uma brisa
Ou forte como uma ventania.
Depende de quando e como
Você me vê passar.
Clarice Lispector.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.