Comunicando Ciência: uma perspectiva global

O Espaço Ciência Viva faz parte dessa história.

O Planetário do Rio de Janeiro foi finalmente aberto em 1970 pela Secretaria Estadual de Ciência e Tecnologia, mas o primeiro museu de ciências do Brasil foi criado na Bahia, o Museu da Ciência e Tecnologia [Museum of Science and Technology] em 1979. Ainda assim, devido ao fato dele não ser muito interativo, alguns estudiosos e atuantes na área preferem considerar o Espaço Ciência Viva [Science Alive] o primeiro museu de ciências interativo (hands-on). Ele foi criado em 1982 no Rio de Janeiro, em um projeto liderado por um grupo de cientistas e educadores, alguns dos quais membros da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, SBPC, estabelecendo uma parceria com o Exploratorium nos Estados Unidos.
O movimento que levou à emergência de centros de ciência por todo o país é parte de um movimento maior nos anos 1960s, agitado pela influência de transformações no Ensino de Ciências nos Estados Unidos e tendo como fundamento, a importância da experimentação para o ensino [e aprendizagem] de Ciências.

Capítulo 7. Brasil, tradução livre.

Editado por : Toss Gascoigne,  Bernard Schiele , Joan Leach , Michelle Riedlinger , Bruce V. Lewenstein, Luisa Massarani , Peter Broks.

A comunicação da ciência moderna emergiu no século XX como um campo de estudo, um corpo de prática e uma profissão – e é uma prática com profundas raízes históricas. 

Vimos o nascimento de centros de ciência interativos, as primeiras ações universitárias no ensino e realização de pesquisas e um forte crescimento no emprego de comunicadores científicos.

Esta coleção mostra o surgimento da comunicação científica moderna em todo o mundo. 

Este é o primeiro volume a mapear os investimentos em todo o mundo em centros de ciências, cursos universitários e pesquisas, publicações e conferências, bem como contar as histórias nacionais da comunicação científica.

Como tudo começou? 

Como o desenvolvimento variou de um país para outro? 

O que motivou governos, instituições e pessoas a ver a comunicação científica como uma resposta às questões do lugar social da ciência?

Communicating Science descreve os caminhos seguidos por 39 países diferentes. Todos os continentes e muitas culturas estão representados. Para alguns países, esta é a primeira vez que sua história de divulgação científica é contada.

Não perca esta fantástica história …

Você pode fazer download do livro em vários formatos no site: https://press.anu.edu.au/publications/communicating-science

ou de seus capítulos nos links abaixo:


  1. Introdução: Uma tendência global, um campo emergente, uma multiplicidade de entendimentos: Comunicação científica em 39 países (PDF, 0,2 MB) – Toss Gascoigne e Bernard Schiele doi
  2. Os cronogramas: uma análise ampla (PDF, 0,4 MB) – Bernard Schiele e Toss Gascoigne doi
  3. África: comunicação de saúde em estados africanos selecionados dos tempos coloniais (PDF, 0,2 MB) – Margaret Kaseje e Verah Okeyo doi
  4. Aotearoa Nova Zelândia: Ciência participativa e comunicação do conhecimento bicultural (PDF, 1.7MB) – Jean S. Fleming, Nancy Longnecker, Rhian A. Salmon e Daniel CH Hikuroa doi
  5. Argentina: Contextos, agentes e práticas na comunicação científica (PDF, 0.3MB) – Carina Cortassa e Cecilia Rosen doi
  6. Austrália: os cinco estágios de desenvolvimento da comunicação científica (PDF, 1,3 MB) – Toss Gascoigne e Jenni Metcalfe doi
  7. Brasil: História, avanços significativos e desafios atuais na divulgação científica (PDF, 0,3MB) – Luisa Massarani e Ildeu de Castro Moreira doi
  8. Canadá: Um país, duas culturas: Duas rotas para a comunicação científica (PDF, 0,4 MB) – Michelle Riedlinger, Alexandre Schiele e Germana Barata doi
  9. China: popularização da ciência para sempre (PDF, 0,3 MB) – Yin Lin e Li Honglin doi
  10. Colômbia: histórias da história da comunicação científica (PDF, 0,8MB) – Sandra Daza-Caicedo, Luisa Barbosa-Gómez, Tania Arboleda-Castrillón e Marcela Lozano-Borda doi
  11. Dinamarca, Noruega e Suécia: Compartilhe, faça útil e discuta criticamente: Comunicação científica (PDF, 0,9 MB) – Per Hetland, Dick Kasperowski e Kristian H. Nielsen doi
  12. Estônia: Comunicação científica em um país pós-soviético (PDF, 0,7 MB) – Arko Olesk doi
  13. França: ‘A República precisa de estudiosos!’ Uma rápida história de tornar a ciência pública na França do século 20 (PDF, 0,3 MB) – Andrée Bergeron doi
  14. Alemanha: Continuidade e mudança marcadas por uma história turbulenta (PDF, 0,8 MB) – Hans Peter Peters, Markus Lehmkuhl e Birte Fähnrich doi
  15. Gana: Quando as pessoas se recusam a deixar a comunicação científica morrer (PDF, 1,2 MB) – Hephzi Angela Tagoe e Thomas Amatey Tagoe doi
  16. Índia: Rastreando a comunicação científica na Índia independente (PDF, 0,8 MB ) – Anwesha Chakraborty, Usha Raman e Poojraj Thirumal doi
  17. Irã: do mundo antigo de Elam à comunicação científica moderna (PDF, 0,3 MB ) – Seyede Zahra Ojagh e Zarrin Zardar doi
  18. Irlanda: a ciência na terra dos contadores de histórias (PDF, 1.0MB) – Pádraig Murphy doi
  19. Israel: Developed Science, development Science Communication (PDF, 0.3MB) – Ayelet Baram-Tsabari, Daniela Orr, Avital Baer, ​​Erez Garty, Yaela Golumbic, Maya Halevy, Eitan Kerin, Adi Levi, Noam Leviatan, Neta Lipman, Ronen Mir e Ettay Nevo doi
  20. Itália: O longo e tortuoso caminho da comunicação científica (PDF, 2.4MB) – Giuseppe Pellegrini e Andrea Rubin doi
  21. Jamaica: Comunicação científica na terra da madeira e da água (PDF, 1,0 MB) – Zahra H. Oliphant, Cliff K. Riley, Kerry-Ann C. Curtis, Setu N. Monroe, Aisha D. Jones e Charah T. Watson doi
  22. Japão: ciência ocidental e cultura japonesa (PDF, 0,3 MB) – Masataka Watanabe e Mitsuru Kudo doi
  23. Malásia: Comunicação científica em uma sociedade pluralista (PDF, 2.2 MB) – Mahaletchumy Arujanan, Noorshamira Shamsuddin e Farahana Nadzri doi
  24. México: Do ​​simples e centralizado à expansão, diversidade e complexidade (PDF, 1.0MB) – Elaine Reynoso-Haynes, Susana Herrera-Lima, Ana Claudia Nepote e Lourdes Patiño-Barba doi
  25. Holanda: Dos primeiros oficiais de informação científica à Agenda de Pesquisa Holandesa (PDF, 0,3 MB) – Anne M. Dijkstra, Frans van Dam e Maarten van der Sanden doi
  26. Nigéria: lutando contra as probabilidades: Comunicação científica em um estado africano (PDF, 0,7 MB) – Bankole Falade, Herbert Batta e Diran Onifade doi
  27. Paquistão: Mudando o panorama da comunicação científica (PDF, 1.0 MB) – Manzoor Hussain Soomro e Khalil Raza doi
  28. Filipinas: Da ciência à comunicação à comunicação científica (PDF, 0,6 MB) – Garry Jay S. Montemayor, Mariechel J. Navarro e Kamila Isabelle A. Navarro doi
  29. Portugal: O florescimento tardio da comunicação científica (moderna) (PDF, 0.3MB) – Marta Entradas, Luís Junqueira e Bruno Pinto doi
  30. Rússia: pêndulo russo: da gloriosa propaganda científica às modestas iniciativas de engajamento público (PDF, 1,3 MB) – Alexandra Borissova e Dmitry Malkov doi
  31. Singapura: uma relação em evolução e cada vez mais complexa (PDF , 0,8 MB ) – Denise E. De Souza, Lieu Zi Zhao, Letchumi Mani, Glenn Toh e Benedict Lin doi
  32. África do Sul: Comunicação científica em tempos turbulentos (PDF, 2.0 MB) – Marina Joubert e Shadrack Mkansi doi
  33. Coreia do Sul: um exemplo diferente (PDF, 1,4 MB) – Hak-Soo Kim doi
  34. Espanha: Evolução e profissionalização da comunicação científica (PDF, 0.3MB) – Gema Revuelta, Vladimir de Semir e Carolina Llorente doi
  35. Taiwan: da nacionalização da ciência à democratização da ciência (PDF, 0,3 MB) – Chun-Ju Huang, Yuh-Yuh Li e Yin-Yueh Lo doi
  36. Tailândia: de templos e palácios à comunicação científica moderna (PDF, 1,0 MB) – Ganigar Chen, Wijitra Suriyakul Na Ayudhya e Chanin Suriyakul Na Ayudhya doi
  37. Turquia: do Império Otomano à República (PDF, 0,3 MB ) – Gultekin Cakmakci e Sevinc Gelmez-Burakgazi doi
  38. Uganda: valores culturais e mídia moderna como motores da comunicação científica (PDF, 1,0 MB) – Ivan Nathanael Lukanda doi
  39. Reino Unido: O relacionamento em desenvolvimento entre ciência e sociedade (PDF, 0,3 MB) – Melanie Smallman, Simon J. Lock e Steve Miller doi
  40. Estados Unidos da América: Comunicação científica nos EUA: é complicado (PDF, 1,2 MB) – Bronwyn Bevan e Brooke Smith doi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.