Poesia e música no Jardim

Como é bacana conhecer músicas que estimulam a imaginação e criatividade como as encontradas no CD-OLÁ, com poesias de Maria Mazetti e músicas de Denise Mendonça!

Nós gostamos tanto desta música, que a adotamos como música-tema de nosso episódio “Naturalistas nos jardins”. Entramos em contato com o pessoal do TEAR para divulgarmos o clip realizado pela equipe ECV, com a música e letra, aproveitando também para dar a dica de conhecer outras músicas do CD Olá, relacionadas com a temática “Jardins e seus bichos”!   

Fica para vocês, que estão nos acompanhando, a brincadeira de encontrar, por perto de onde moram, um dos bichinhos que estão marcados na letra da música “O que eu descubro” e de desenhá-los de um jeito bem bacana!

Capa do CD Olá, Produção gráfica e adaptação: Beto Tameirão Produção executiva: Denise Mendonça

O que eu descubro (Música de Denise Mendonça e Letra de Maria Mazetti)

Pelo quintal, no jardim,
parece tudo quietinho…
não se ouve um barulhinho…

Mas embaixo das plantinhas
Um milhão de formiguinhas…

Entre as flores e entre as telhas,
passeiam muitas abelhas.

De um buraquinho redondo
vem saindo um marimbondo.

No tronco igual a uma lixa,
escorrega a lagartixa.

E debaixo de uma pedra,
bem debaixo escondidinha
Eu descubro a joaninha!

Vamos desenhar a outra metade dos bichinhos? Você conhece a técnica de desenho rebatido?

Clique aqui para baixar todas as imagens em tamanho A-4 e utilizar a técnica do desenho rebatido para desenhar e depois colorir os bichinhos presentes na música “O que eu descubro” .


Já nesta outra música do CD, numa deliciosa brincadeira de esconde-esconde, queremos desafiar vocês a encontrar a quem pertence os diferentes “rabos”!! Como podem ser tão diferentes as “partes traseiras” dos variados bichinhos, né mesmo?

Esconde-esconde (Música de Denise Mendonça e Letra de Maria Mazetti)

Brincando de esconde-esconde,
todo mundo se escondeu.
O pato correu, correu.
Num buraco se meteu.

O tatu foi lá pra árvore.
Se escondeu bem na raiz.
Tamanduá se escondeu,
mas esqueceu do nariz…

O rato foi bem depressa
pra debaixo do tapete.
Ninguém vai achar a pulga
que é menor do que alfinete.

Tem um bicho escondidinho…
Quero ver se tu descobres
de quem é este rabinho…

Vamos seguir brincando aqui? Ajude os animais a encontrarem a sua outra metade!

Créditos das imagens (Da esquerda para direita): Robert Balog, Hradient, Aguilera Evelyne, e Ralph (retirados do Pixabay) e Katja ZSM (do Wikimedia Commons)

POR DENTRO DO INSTITUTO TEAR

Passeando no site do TEAR,  vemos que estas músicas nasceram junto do próprio Instituto Tear e fizeram parte do disco emblemático para a música infantil que teve seu lançamento no ano de 1980.  

Mas foi em meados de 76 que Maria Mazzetti, escritora da seção Olá do ‘JBzinho’ (jornal infantil que era parte do Jornal do Brasil), estreitou conversas com Denise Mendonça e incentivou a gravação de um disco independente, produzido por Denise e alguns futuros tearteiros. 

Com uma nova estética para música infantil, o disco ‘Olá’ apontava um pensamento original sobre a cultura da infância, ao explorar narrativas e formatos musicais ousados para a época. As reflexões e ideias de Maria Mazzetti contribuíram também para os primeiros traços do que se definiria como ‘Artes Integradas’, abordagem pedagógica desenvolvida por Denise Mendonça..

Conheça o TEAR –   é uma instituição que atua desde 1980 nas áreas de Arte/Educação e cultura, desenvolvendo trabalhos que buscam ressignificar vivências, tais como: cursos de formação nas várias linguagens da arte e em Arte/Educação, seminários, eventos culturais e comunitários, espetáculos artísticos, assessorias e consultorias, e de formação de voluntariado corporativo.

Constituído como organização da sociedade civil sem fins lucrativos nos anos 2000, foi reconhecido pelo Ministério da Cultura como Ponto de Cultura em 2005, e em 2010 pela Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro. Em 2014 o Tear se tornou Pontão de Cultura e Educação, somando às suas ações o fortalecimento dos Pontos de Cultura e da Rede de Pontos, tendo a Arte/Educação como mediação cultural e social, uma ação que envolve cartografias, processos formativos e trocas colaborativas entre Pontos de Cultura.

O Tear já funcionou em vários endereços na Grande Tijuca e hoje ocupa um casarão muito legal, com um jardim verde bem bacana nos seus fundos. Vale a pena conhecer!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.