Oceânicas Pioneiras: Jimena Quirós

Coleção Oceânicas Pioneiras.

Este material foi traduzido para português do Projeto Oceánicas que desenvolve várias atividades para celebrar e preservar o oceano.

Um dos trabalhos do projeto é  Oceánicas: pioneras de la oceanografía onde contam a história de 10 cientistas ilustres, algumas delas bastante esquecidas e desconhecidas. Desde a primeira e única mulher que deu a volta ao mundo durante a época das grandes explorações até mulheres atuais que lideram a luta pela Conservação do Oceano – grande sonho da Década do Oceano (2021-2030) que se inicia esse ano.

Todas as Oceânicas são referências maravilhosas, necessárias e inspiradoras às jovens que sonham ser cientistas e pesquisadoras marinhas.

A Mudança Climática, a Sobrepesca e a Contaminação ameaçam transformar o oceano para sempre.

Isto torna o acesso equitativo de mulheres e homens a todos os campos das ciências marinhas, incluindo a sua presença em postos de responsabilidade, mais necessário do que nunca.

Temos um desafio enorme e precisamos contar com todos os talentos da humanidade,

Para nos inspirar, vamos conhecer hoje mais uma mulher, cientista marinha autodidata – uma Argonauta do Oceano.

A Guerra Civil Espanhola abreviou a carreira da primeiro oceanógrafa da Espanha.

Jimena Quirós (1899-1982).

Jimena Quirós Fernández y Tello nasceu no município de Almería, no sul da Espanha, em 5 de dezembro de 1899. E Almería tem como uma de suas fronteiras o Mar Mediterrâneo. Sua família viajava muito por causa do trabalho de seu pai, que era engenheiro e trabalhava na instalação de gás na Espanha. Por essas mudanças, seu irmão mais velho nasceu em Alicante, enquanto Jimena e suas irmãs nasceram em Almería. Pouco depois do nascimento de Jimena, seus pais se separaram e ele desapareceu de suas vidas. Sua mãe abriu uma escola em Almería e criou sua família.

A jovem almería chegou a Madrid em 1917, antes dos 18 anos, e começou a estudar Ciências na Universidade Central (atual Complutense de Madrid). Jimena viveu na Residencia de Señoritas , a menos conhecida das duas instituições madrilenas que foram o centro da cultura da Espanha no início do século XX. A Residencia de Señoritas foi o primeiro centro oficial a promover a educação universitária para mulheres na Espanha. O centro foi dirigido desde sua criação em 1915 pela pedagoga e ativista política María de Maeztu.

O outro centro era a Residencia de Estudiantes, destinado apenas para homens e no qual Federico García Lorca dividiu o quarto com Luís Buñuel e era vizinho de quarto de Salvador Dali. Nas Señoritas, inaugurado em 1915, foram formadas pintoras como Maruja Mallo, filósofas como María Zambrano, juristas como Matilde Huici ou Victoria Kent e cientistas como Jimena. Neste ambiente, Jimena compartilhou seu dia-a-dia com futuros pintoras, filósofas, advogadas e cientistas, que mais tarde se tornariam as melhores em suas profissões.

Em 1919, o seu interesse pelas ciências marinhas levou-a a fazer um curso sobre “Técnicas microscópicas aplicadas ao plâncton” nos Laboratórios Centrais do Instituto Espanhol de Oceanografia, o IEO. Sua paixão pela oceanografia cresceu e, em abril de 1920, seria nomeada “aluna interna” do IEO, vinculada à Seção de Química e designada como assistente do Serviço de Biblioteca. Jimena combinava suas tarefas no IEO com seus estudos, e ela tinha que fazer isso bem, porque naquele mesmo verão a Diretoria do IEO a encarregou de ir ao Laboratório de Santander participar dos trabalhos preparatórios para uma importante campanha oceanográfica que seria realizada no ano seguinte.

Após um verão de intenso trabalho, Jimena começou seu último ano na universidade. Fez os cursos teórico-práticos de “Oceanografia” e “Química do Mar” ministrados pelo IEO ao longo do curso e, em setembro de 1921, se formaria em Ciências com um prêmio extraordinário na seção Natural.

Nesse mesmo ano, recém-formada, participaria da campanha oceanográfica em cuja organização já havia trabalhado no ano anterior em Santander. Esta campanha, organizada pelo IEO a bordo do iate real Giralda (que foi o iate do rei Afonso XII), durou um mês e percorreu as costas espanholas do Mar Mediterrâneo. 

Iate Real Espanhol Giralda. Fotografia, autor desconhecido, 1898. Wikipedia. agorametropolitana.it. Licença de Domínio Público.

Jimena participou desta campanha (possivelmente apenas alguns dias) como assistente do oceanógrafo e naturalista francês Julien Thoulet (1843-1936) da Universidade de Nancy, e que fazia parte da equipe do Príncipe de Mônaco, também a bordo.

 Jimena se tornou assim a primeira cientista espanhola a participar de uma campanha oceanográfica .

No retorno desta expedição pelo Mediterrâneo, com apenas 22 anos, ingressou no IEO como a primeira cientista da história da instituição. 

Jimena não parou de treinar e sua preocupação a levou, primeiro, para a Universidade de Paris e depois para a Universidade de Columbia, onde estudou Geografia Física da Atmosfera e dos Oceanos com alguns dos melhores cientistas da época na área. Embora ela dominasse muitos campos das ciências marinhas, a especialidade de Jimena era a física e a isso se dedicou a maior parte de sua curta carreira: ao estudo das massas de água do oceano.

Além da ciência, Jimena dedicou sua vida à política e à luta pela igualdade de direitos para as mulheres

Ela presidiu o Comitê Feminino do Partido Socialista Radical Republicano antes mesmo que as mulheres tivessem o direito de votar. Mas Jimena começou a ter problemas no trabalho e retirou-se temporariamente para se dedicar ao ensino. Trabalhou em vários institutos até o advento da Guerra Civil e, em 1940, a ditadura de Franco a destituiu de seus cargos e a expulsou do IEO.

Comitê da XII Conferencia Internacional de la Federación Internacional de Mujeres Universitarias. Da esquerda para a direita: Loreto Tapia, Jimena Quirós (sentada), Matilde Huici, Conrada Calvo, María Arapalis, Clara Campoamor e Josefina Soriano. Fotografia. Hemeroteca Nacional da Espanha.

Ele sobreviveu à Guerra Civil, mas sua carreira científica e sua luta pela igualdade de direitos foram interrompidas. 

Em 1966, Jimena obteve o perdão do governo de Franco e conseguiu sua reingresso no IEO, mas já aposentada.

Até a próxima Oceânica!

O texto original pode ser obtido aqui.

E o livro completo com as 10 Oceânicas Pioneiras aqui.

Todo o material original está disponível com a Licença Creative Commons CC BY NC ND. 2021 – Licencia CREATIVE COMMONS Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional.

Para saber mais

Para conhecer mais detalhes dessa história de lutas e conquistas, visite a página abaixo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.