Oceânicas Pioneiras: Anita Conti

Capa: O lobo do Atlântico (A. lupus) é um peixe marinho da família Anarhichadidae, nativo do Oceano Atlântico Norte. Fotografia. Autor Bjørn Christian Tørrissen. In Wikipedia, Licença CC BY SA.

Coleção Oceânicas Pioneiras.

Este material foi traduzido para português do Projeto Oceánicas que desenvolve várias atividades para celebrar e preservar o oceano.

Um dos trabalhos do projeto é  Oceánicas: pioneras de la oceanografía onde contam a história de 10 cientistas ilustres, algumas delas bastante esquecidas e desconhecidas. Desde a primeira e única mulher que deu a volta ao mundo durante a época das grandes explorações até mulheres atuais que lideram a luta pela Conservação do Oceano – grande sonho da Década do Oceano (2021-2030) que se inicia esse ano.

Todas as Oceânicas são referências maravilhosas, necessárias e inspiradoras às jovens que sonham ser cientistas e pesquisadoras marinhas. A Mudança Climática, a Sobrepesca e a Contaminação ameaçam transformar o oceano para sempre. Isto torna o acesso equitativo de mulheres e homens a todos os campos das ciências marinhas, incluindo a sua presença em postos de responsabilidade, mais necessário do que nunca.

Temos um desafio enorme e precisamos contar com todos os talentos da humanidade, Para nos inspirar, vamos conhecer hoje mais uma mulher, cientista marinha autodidata – uma Argonauta do Oceano. Apaixonada pela descoberta e investigação das viagens e também pelo oceano em todos os seus aspectos, é considerada na França a pioneira da oceanografia pesqueira e a precursora da fotografia e cinematografia marítima feminina. 

Anita Conti, pioneira na denúncia dos impactos da pesca industrial

Anita Caracotchian Conti: A DAMA DO MAR.

Em 17 de maio de 1899, nos arredores de Paris, Anita Caracotchian nasceu em uma família rica e itinerante de origem armênia. 

Ela passou a infância viajando pelo mundo com seus pais e irmãos e, por isso, foi educada em casa. A aventureira e versátil Anita viveu quase cem anos, era muito aberta às diferentes culturas e costumes dos países visitados. Ela era filha da francesa Alice Lebon e de um renomado cirurgião turco de origem armênia. 

Anita era apaixonada pelo mar e pelos livros e, desde muito jovem, escrevia poemas. Suas poesias ficaram inéditas até uma antologia publicada em 1996. Ela também publicou artigos em revistas femininas (como a Éve, le journal idéal de la Femme), sem recorrer aos clichês da moda ou da culinária. Em um de seus textos reclama das precárias condições sanitárias das fazendas de ostras da Bretanha. 

Aos 28 anos, Anita se casou com o diplomata Marcel Conti e adotou o sobrenome do marido, pelo qual é conhecida hoje: Conti. 

O casal mudou-se para a África, onde seu interesse autodidata pelo oceano a levou a embarcar em navios pesqueiros franceses que operavam nas águas do Saara. 

Anita Conti, cerca de 1935. In Wikipedia.
Licença de Domínio Público.

O interesse pela fotografia desenvolveu-se principalmente a partir de 1917 durante as suas viagens pela costa atlântica, um hobby que se tornou uma profissão e que o praticou até ao fim da sua vida, juntamente com as reportagens de filmagens. Conheça algumas de suas fotografias no site da Agência VU:

  • Anita Conti, Série Terras-Novas, 1952. As fotografias de Anita Conti, a única mulher a acompanhar os lendários Newfoundlanders em 1939 e depois em 1952, contam a história desta grande pescaria que hoje desapareceu totalmente. E o difícil treinamento durante vários meses dos homens no teatro das traineiras, sacudidas pelo vento e pelas ondas, no frio Atlântico Norte, à beira dos bancos de gelo. Clique aqui para ver as fotos.
  • Portfólio de fotos de Anita, incluindo a foto que inspirou o pôster nessa coleção das Oceânicas Pioneiras. Clique aqui para ver as fotos.

Ela descobriu uma infinidade de espécies de peixes, como o peixe lobo do Atlântico norte.

O lobo do Atlântico (A. lupus) é um peixe marinho da família Anarhichadidae, nativo do Oceano Atlântico Norte. Fotografia.
Autor Bjørn Christian Tørrissen. In Wikipedia, Licença CC BY SA.

E trabalhou lado a lado com os pescadores para explorar novos locais de pesca e métodos mais eficazes de captura. Em seus estudos, Anita esclarece ao leitor seus deveres técnicos a bordo e seu trabalho de documentação como fotógrafa e cineasta:

“Estou a bordo de uma das mais belas embarcações de pesca do bacalhau da França e minha tarefa é observar os atuais meios de detecção e captura de peixes; e as de transformação e aproveitamento da massa total capturada […]. Procurando quais seriam as melhorias que poderiam ser feitas a bordo dos novos navios.

Para fins de documentação, devo tirar as fotos em preto e em cores, e registrar cerca de 1.000 metros de filme colorido de 16mm. Todas estas imagens, fixas ou animadas, pretendem especificar os métodos e condições de trabalho num navio-fábrica de salga ”.

Anita foi uma das primeiras divulgadoras da sociedade da pesca de alto mar e da duríssima vida dos pescadores e marinheiros em navios, por meio de entrevistas e conferências de rádio, e por meio de múltiplas publicações: dezenas de fotografias pessoais, uma trilogia de livros icônicos e vários artigos em revistas populares e especializadas.

Durante 15 anos trabalhou nas águas da Mauritânia, Senegal, Guiné e Costa do Marfim e, aos poucos, foi tomando consciência do impacto da pesca industrial nos ecossistemas, o que a levou a se tornar uma ativista, sendo assim uma pioneira na conservação da biodiversidade.

Aos 72 anos publicou a sua obra mais polémica, na qual denunciava esta situação, intitulada

 L’Ocean, Les Betes et L’Homme (O oceano, as feras e o homem). 

Ana Conti dedicaria o resto da vida a dar palestras e denunciar o impacto humano nos oceanos em todos os fóruns possíveis, até morrer aos 98 anos.

2019: Google comemora os 120 anos de nascimento de Anita Conti.

O mar é um espelho que nos devolve à nossa própria ignorância, A. Conti.

Até a próxima Oceânica!

O texto original pode ser obtido aqui.

E o livro completo com as 10 Oceânicas Pioneiras aqui.

Todo o material original está disponível com a Licença Creative Commons CC BY NC ND. 2021 – Licencia CREATIVE COMMONS Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional

Para saber mais

Para saber mais detalhes da DAMA DO MAR, continue lendo mais de sua biografia (em espanhol) aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.