Campeonatos Internacionais de Aviões de Papel

Capa: Rally Aviões de Papel em manifesto contra fechamento Telégrafo de Kaliningrado (30 abril 2018). Fotografia de Alexandr Podgorchuk / Klops.ru. Em Wikipedia. Licença CC BY SA 4.0.

Temporada: Investigando Aviões de Papel.

Primeiro Concurso Internacional de Aviões de Papel.

No inverno de 1966, a revista Scientific American  usou um método incomum para atrair novos assinantes. Ela resolveu patrocinar o 1ª Campeonato Internacional de Aviões de Papel. Naquele momento, a França e a Inglaterra tinham acabado de anunciar que iriam produzir conjuntamente o Concorde, o primeiro avião de transporte supersônico do mundo.

O Concorde F-WTSS (Protótipo nº 001), em 2 de março de 1969. Fotografia de André Cros , parte dos Fundos André Cros, preservados pelos arquivos da cidade de Toulouse e publicados com a licença CC BY-SA 4.0 

Os fabricantes de aeronaves nos Estados Unidos estavam preparando esforços para conseguir entrar no mercado de transporte aéreo supersônico (SST).

Os editores da  Scientific American  notaram que os modelos do SST tinham uma semelhança impressionante com os aviões de papel que haviam feito há trinta anos, em sua juventude. A Scientific American  usou essa semelhança em sua campanha publicitária. A revista perguntou aos apaixonados por aviões de papel se, neste momento, eles tinham um projeto que tornaria o SST, ainda não produzido, 30 anos obsoleto.

Com sorte, o anúncio da Scientific American  para seu concurso apareceu no The New York Times em 12 de dezembro de 1966, na página 37. O anúncio da Lockheed-California Corporation para o SST apareceu na mesma edição do The New York Times na página 38. A Scientific American  disse que o concurso foi apenas por diversão e que nenhum comentário sobre o SST foi planejado.

Recentemente (2020), o The New York Times publicou uma matéria sobre Como fazer o Melhor Avião de Papel com uma folha de seu jornal, com o tema:

Você pode perguntar: “Quantas pessoas entraram no concurso”?

Houve 11.851 inscrições de 5.144 pessoas residentes em 49 estados e 28 países diferentes.

  • Quase metade das inscrições (5.000) foram de crianças.
  • O Japão, com 750 inscrições, foi o país estrangeiro com mais inscrições.
  • Foram quase mil inscrições submetidas por mulheres.

Com uma participação tão diversificada, parece que aviões de papel são um excelente tema aglutinador e educacional.

Os competidores se orgulhavam de seus aviões. A maioria das inscrições foram enviadas dentro de caixas de cereal vazias.

  • O menor avião era milimétrico com apenas 2 milímetros.
  • O maior avião tinha três metros e trinta e cinco centímetros (3,35 m).

O concurso foi dividido em categorias profissionais e não profissionais, onde um profissional era alguém que trabalhava na área aeronáutica ou um assinante da Scientific American.

Foram criadas quatro categorias:

  • tempo de voo (duração de voo no ar),
  • a distância de voo,
  • acrobacias realizadas no voo,
  • e origami.

Após voos preliminares nos corredores da Scientific  American, as finais foram realizadas no Salão de Ciências de Nova York (New York Hall of Science). O evento foi coberto pela imprensa dos Estados Unidos e do exterior.

Na classe não profissional, os campeões foram:

  • tempo de voo, com  9,9 segundos.
  • distância de voo, com 17,73 metros.

Na classe profissional, os campeões foram:

  • tempo de voo, com 10,2 segundos
  • distância de voo, com 27,89 metros. Este avião teria voado mais longe, mas atingiu a parede traseira do salão. Os ginásios em nossas escolas são grandes o suficiente para abrigar estas competições, mas devem estar bem organizados sem obstáculos.

O concurso foi educativo?

Com certeza, sim! Pois eles trazem inovações, revoluções e até controvérsias – e tudo isso contribui para o desenvolvimento do conhecimento sobre a arte de voar.

O modelo vencedor de Frederick Johnson Hooven (1905-1985) na categoria de tempo no ar foi uma Asa Voadora. Projetos de asas voadoras são controversos. Como não tem fuselagem, uma asa voadora tem uma excelente relação de elevação-arrasto (lift-drag). Infelizmente, um piloto tem muita dificuldade em controlá-los.

Asa Voadora Northrop YB-49, um protótipo pesado de um avião bomber. Fonte Arquivo USAF. Em  archive.org link. Domínio público, sem citar o fotógrafo.

A Base Aérea de Edwards, na Califórnia, tem o nome do piloto Glen Edwards, um piloto de teste que morreu em 1948, em um acidente de avião enquanto testava uma asa voadora Northrop YB-49. Atualmente, no entanto, os aviões têm computadores para controlar o voo. Os aviões caças Grumman foram projetados para serem instáveis, pois isso os tornava mais manobráveis.

Neste campeonato também havia modelos circulares, que foram aceitos como uma forma válida. Afinal, os discos voadores têm sido a forma principal de aeronaves espaciais em toda a ficção científica. Eles podem ser a “forma” do futuro dos aviões de papel.

Conheça algumas patentes de aviões e asas circulares nesta lista de patentes norte-americanas de asas circulares. Clique aqui para ver a listagem.

Segundo Grande Concurso Internacional de Aviões de Papel

O Segundo Grande Concurso Internacional de Aviões de Papel foi realizado em 24 de maio de 1985, no Seattle Kingdome.

A Science 86, o Museu de Voo de Seattle, e o Museu Nacional do Ar e Espaço do Instituto Smithsoniano patrocinaram o concurso. Considerando que o primeiro concurso foi realizado por diversão, o motivo alegado para este concurso foi para ver se o projeto de avião de papel tinha acompanhado o projeto de aeronaves reais nos dezoito anos desde o primeiro concurso. Em vez de usar metal, os aviões estavam agora sendo feitos de camadas de plástico ligados com cola de superresistência. Esta construção é mais leve e mais forte que o metal.

Mantendo-se consistente com os métodos atuais de construção, o Segundo Grande Concurso Internacional de Aviões de Papel permitiu que os competidores fizessem seus aviões de papel a partir de camadas coladas de papel. Os organizadores queriam ver se os modelos laminados melhorariam os registros do primeiro concurso.

Este concurso manteve as categorias do primeiro concurso. E também adicionou uma categoria júnior para crianças menores de 14 anos. Desta vez, 4.348 aviões de 21 países foram inscritos. Os juízes ficaram bem ocupados; um avião decolava a cada quatro segundos.

Como você poderia ter previsto, os modelos laminados eram superiores.

Na categoria profissional, a distância vencedora ultrapassou os 37 metros! O avião, um design laminado de Akio Kobayashi de Tóquio, Japão, tinha um comprimento de quase 23 centímetros, uma envergadura de 21,5 centímetros e uma altura de 6,35 centímetros.

O vencedor do tempo de voo foi projetado por Tatuo Yoshida de Yokohama, Japão. Seu avião laminado permaneceu no ar por 16,06 segundos. O avião tinha um comprimento de 26,7 centímetros, uma envergadura de 22,9 centímetros e uma altura de 2,54 centímetros.

Na categoria não profissional,

O avião vencedor na categoria de distância foi um projeto de Avião Dardo de Robert B. Meuser de Oakland, Califórnia. Seu avião voou mais de 43 metros (6 metros a mais do que o vôo dos Irmãos Wright em 1903). O avião tinha um comprimento de 34,3 centímetros e asas de Dardo com 6,35 centímetros na frente e 9,53 centímetros na parte de trás. “Bob” Meuser também havia vencido a categoria distância no 1º Grande Concurso Internacional de Aviões de Papel. Conheça a biografia desse apaixonado pela aviação, clicando aqui.

O primeiro lugar no tempo de voo no ar foi para Yoshiharu Ishii de Osaka, Japão. Seu avião laminado permaneceu no ar por 9,8 segundos.

Na categoria júnior,

O primeiro lugar em distância de voo foi para Eltin Lucero, de 12 anos, de Pueblo, Colorado. Seu avião de papel clássico voou quase 35 metros. Tinha um comprimento de 24,8 centímetros, uma largura de 16,5 centímetros e uma altura de 3,25 centímetros.

Hironori Kurisu, de Osaka, japão, venceu a categoria de duração de voo no ar. O avião laminado desse garoto de 10 anos permaneceu no ar por 11,28 segundos.

Os juízes do concurso foram:

  • o ex-astronauta Michael Collins;
  • Dennis Flanagan, editor emérito da Scientific American;
  • Ilan Kroo, professor da Universidade de Stanford;
  • Sheila Widnall, engenheira aerodinâmica do Instituto de Tecnologia de Massachusetts;
  • e Yaskauki Ninomiya, designer de aviões de brinquedo da White Wing.

É preciso ensaiar muito para improvisar. É preciso testar muito para inovar.

Observe que muitos vencedores são do Japão. Os japoneses são conhecidos por trabalharem duro e prestarem atenção a detalhes. O Sr. Meuser disse que o truque para construir um bom avião de papel era dedicar um bom tempo para ajustar e aperfeiçoar o modelo. Vejo isso como a mensagem principal do Origami e dos Aerogamis. Os japoneses dedicam tempo, carinho e atenção aos modelos; talvez aviões de papel possam ajudar a encorajar os estudantes e nossos filhos a prestar atenção a detalhes.

John P. Crotty relata que ao falar com um piloto do Grupo Barnes, o piloto disse que testes estão sendo feitos em asas circulares. Essas asas começam na fuselagem e terminam na fuselagem. A única asa circular contínua é estruturalmente muito mais forte do que o par convencional de asas. A entrada vencedora no evento de estética, categoria não profissional foi um avião com asa circular. Talvez haja ideias a serem aprendidas com aviões de papel.

Crotty em sua pesquisa sobre aviões de papel, descobriu que o objeto que foi mais longe na categoria não profissional foi um anel “aerobie” de papel. Retire o centro de um disco voador e você obterá um “aerobie”, um anel voador com características de voo inacreditáveis. Os organizadores proibiram a forma redonda nos concursos por eles  não serem um avião de papel de boa fé. No entanto, como observado anteriormente, discos voadores foram permitidos no primeiro concurso. O “aerobie” é tão inigualável em voo impulsionado à mão, que devemos investigá-lo à parte – uma excelente história a descobrir e investigar. Os aerobies, além da controvérsia do avião de papel, promete ideias inovadoras para aviões ou aneis voadores de papel.

CAMPEONATOS MUNDIAIS DE AVIÕES DE PAPEL DA PAPER AIRCRAFT ASSOCIATION

Campeonato Mundial de Aviões de Papel (nome original: Red Bull Paper Wings) é o maior torneio de aviões de papel  do mundo. Veja uma foto do campeonato em https://www.redbullcontentpool.com/international/CP-P-86412

O torneio tem a chancela da Paper Aircraft Association (PAA), e é patrocínado pela Red Bull.

A primeira edição do torneio foi realizada no ano de 2006, a segunda em 2009 e as últimas em 2015, 2018 e 2019.

A disputa segue as regras internacionais estabelecidas pela Paper Aircraft Association.

As provas são realizadas em um local fechado e sem vento. Cada participante tem direito a duas tentativas por categoria disputada. Uma fita métrica padronizada e com dispositivo à laser e um cronômetro, respectivamente, medem os resultados.

No caso dos voos acrobáticos, os concorrentes podem usar aviões pré-construídos e sem restrição de tamanho de papel.

Para os participantes das modalidades de distância e tempo de voo, o papel é fornecido pela organização do torneio, seguindo o formato padrão A4 de 80 gramas, e os aviões devem ser inteiramente construídos no local. Um júri atribui pontos às manobras.

O Campeonato é dividido em 3 categorias:

  • Distância – O vencedor desta categoria será o avião (feito apenas com uma folha de papel) que voar mais longe. Ou seja, a maior distância entre a descolagem e o ponto de chegada, dentro do espaço aéreo oficial. O recorde mundial oficial é de Stephen Krieger dos Estados Unidos com 63,19 metros.
  • Tempo de voo – O vencedor desta categoria será o avião (feito apenas com uma folha de papel) que permanecer no ar por mais tempo. O recorde mundial oficial é de Takuo Toda do Japão com 27,9 segundos.
  • Acrobacia (categoria demonstrativa) – criatividade e estilo são os pré-requisitos para fazer com que o avião voe artisticamente pelo ar. Um júri irá determinar o vencedor baseado em três critérios: Fabricação (técnica) do avião de papel, Criatividade (arte e design) e Performance durante o voo.

Alguns brasileiros já chegaram às finais e foram campeões do campeonato.

Quem será o próximo?

Os Estados Unidos criaram o Dia Nacional do Avião de Papel, comemorado em 26 de maio. Conheça o site do evento em http://www.nationalpaperairplaneday.org/. Vamos torcer para que o evento se transforme em um evento mundial!

Veja um dos vídeos promocionais do evento em https://youtu.be/o870rjNzbBI

O tema dos aviões de papel é dedicado

a professores que gostam de ser educadores.

a educadores que adoram se divertir com os estudantes.

a educadores que possuem alto nível de energia em sala de aula, e que adoram renová-la.

a educadores que acreditam que um ambiente agradável contribui para o desempenho intelectual e afetivo dos estudantes.

a professores que buscam diferentes motivações para ampliar seu repertório de estratégias de ensino.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.