Oceânicas Pioneiras: Ángeles Alvariño González

Capa: Ilustração de Ángeles Alvariño. Autor Anxo Miján Maroño. In Wikipedia. Licença CC BY SA 4.0.

Coleção Oceânicas Pioneiras.

Este material foi traduzido para português do Projeto Oceánicas que desenvolve várias atividades para celebrar e preservar o oceano.

Um dos trabalhos do projeto é  Oceánicas: pioneras de la oceanografía onde contam a história de 10 cientistas ilustres, algumas delas bastante esquecidas e desconhecidas. Desde a primeira e única mulher que deu a volta ao mundo durante a época das grandes explorações até mulheres atuais que lideram a luta pela Conservação do Oceano – grande sonho da Década do Oceano (2021-2030) que se inicia esse ano.

Todas as Oceânicas são referências maravilhosas, necessárias e inspiradoras às jovens que sonham ser cientistas e pesquisadoras marinhas. A Mudança Climática, a Sobrepesca e a Contaminação ameaçam transformar o oceano para sempre. Isto torna o acesso equitativo de mulheres e homens a todos os campos das ciências marinhas, incluindo a sua presença em postos de responsabilidade, mais necessário do que nunca.

Temos um desafio enorme e precisamos contar com todos os talentos da humanidade, Para nos inspirar, vamos conhecer hoje mais uma mulher, cientista marinha autodidata – uma Argonauta do Oceano.

Oceanógrafa galega especialista em Zooplâncton que descobriu 22 novas espécies para a ciência.

“ Eu nasci em uma noite de furacão. As telhas voaram, árvores e paredes caíram. É assim que o vento, o mar furioso e as ondas bravas e arrogantes batendo nas costas graníticas me cativam. E o meu personagem também”. 

Foi o que disse Ángeles Alvariño em uma carta dirigida a sua família quando ela já era relativamente mais velha. E, claro, suas palavras são uma descrição magnífica de sua personagem próprio ao longo de sua vida: forte, corajosa, arrogante e lutadora.

Essa força, essa arrogância e esse caráter lutador permitiram-lhe ser uma das mais prestigiadas pesquisadoras marítimas mundiais do século XX.

Na verdade, Ángeles Alvariño González nasceu na costa de Serantes, Ferrol, uma pequena cidade costeira da Galiza, durante uma forte tempestade, um “Cordonazo de San Francisco”, na noite de 3 de outubro de 1916.

O Cordonazo de São Francisco ocorre todos os anos, quando se aproxima o dia da sua festa – 4 de outubro -, pois acredita-se que este santo da igreja católica se prepare para a festa, sacudindo a túnica e a corda com que a ajeita, que sacode o céu, deixando dias nublados e frios com algumas chuvas fortes. E essas importantes precipitações representam o fim da estação das chuvas.

Com apenas três anos de idade, ela lia e estudava música. Amava os livros de História Natural e, em 1933, concluiu o Bacharelado Universitário em Ciências e Letras.

Ángeles foi para Madrid estudar Ciências Naturais em 1934 mas, devido à Guerra Civil, as aulas foram encerradas e ela regressou à Galiza. 

Aproveitou o momento para aprender francês e inglês, o que seria essencial para sua futura carreira no exterior. Ángeles pôde continuar seus estudos após a guerra e se formou em 1941. Depois de alguns anos como professora do ensino médio, foi para Madrid com o marido, militar que fora designado para o Instituto Espanhol de Oceanografia (IEO ), onde ingressou como bolsista aos 34 anos.

Dois anos depois, obteve o cargo de bióloga no Centro Oceanográfico de Vigo do IEO e começou a estudar o zooplâncton.

Um krill do norte ( Meganyctiphanes norvegica ), 2005. Crédito Øystein Paulsen. In Wikipédia. Licença CC BY-SA 3.0.

Em 1953, ela recebeu uma bolsa para continuar estudando esses pequenos organismos no Reino Unido, onde se tornou a primeira mulher cientista a trabalhar a bordo de um navio de pesquisa britânico.

Três anos depois, ela recebeu outro auxílio, desta vez para continuar suas pesquisas nos Estados Unidos sob a tutela de outra pioneira da qual já falamos: Mary Sears. Foi ela que, impressionada com seu trabalho, a recomendou para um cargo no Scripps Institute of Oceanography, na Califórnia, onde permaneceu até 1970 analisando milhares de amostras de plâncton de todo o mundo.

Ele continuou sua carreira em outra instituição americana de prestígio, a National Oceanic and Atmospheric Administration – NOAA, onde estudaria larvas de peixes no plâncton. Após sua aposentadoria, em 1987, ela continuou trabalhando como cientista emérita e escrevendo e divulgando a história das ciências marinhas na Espanha.

Graças ao seu trabalho meticuloso, Ángeles descreveu 22 novas espécies planctônicas para a ciência

Em 2005 faleceu e, desde 2012, leva o seu nome um dos navios oceanográficos mais avançados da frota espanhola.

Até a próxima Oceânica!

O texto original pode ser obtido aqui.

E o livro completo com as 10 Oceânicas Pioneiras aqui.

Todo o material original está disponível com a Licença Creative Commons CC BY NC ND. 2021 – Licencia CREATIVE COMMONS Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional

Para conhecer mais

Os detalhes de sua vida e seu trabalho leia: https://oceanicas.ieo.es/angeles-alvarino-gonzalez-la-fuerza-de-un-caracter/.

Para conhecer algumas pesquisas em zooplâncton no Rio de Janeiro, conheça o NUPEM e sua publicação sobre Zooplâncton das Lagoas Costeiras do Norte Fluminense.

E a Limnologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.