Astropoesia: Canção para as Estrelas de Karl Marx

Karl Marx, “Song to the Stars” (1836). Poesia em Karl Marx e Friedrich Engels, Collected Works , vol. 1 (1835–1843). Nova York: International Publishers, 1975, 608. (tradução livre: Paulo Henrique Colonese).

Imagem capa: Sol se pondo em Marte. NASA PhotoJournal. Missão Pathfinder, 1999. Crédito NASA/JPL.

Não existe dinheiro no século 24.

Acumular riqueza não é mais a força motriz de nossas vidas.

Trabalhamos para melhorar a nós mesmos e o resto da humanidade.

Picard (Patrick Stewart) no filme First Contact.
Roteiro: Brannon Braga e Ronald D. Moore; Direção: Jonathan Frakes, 1996.

Song to the Stars

Canção às Estrelas

You dance round and around
In shimmering rays of light,
Your soaring shapes abound
In number infinite.

Você dança em rodas e círculos
Em raios de luz cintilantes,
Suas formas crescentes abundam
Em número infinito.

Here breaks the noblest Soul,
The full heart bursts in twain,
And like a jewel in gold
     Is clasped by mortal pain.

Aqui, quebra a alma mais nobre,
O coração explode em dois,
E como uma joia em ouro
Está preso por uma dor mortal.

It turns on you its look
Darkly, compellingly,
From you, babe-like, would suck
Hope and Eternity.

Acende sobre você seu olhar
Sombriamente, convincentemente,
De você, querida, sugando
Esperança e Eternidade.

Alas, your light is never
     More than aethereally rare.
No divine being ever
     Cast into you his fire.

Infelizmente, sua luz nunca é
Mais do que etereamente rara.
Nenhum ser divino jamais
Lançou sobre você sua flama.

You are false images,
 Faces of radiant flame;
 Heart’s warmth and tenderness
 And Soul you cannot claim.

Vocês são imagens falsas,
Faces de chamas radiantes;
Calor e ternura do coração
E Alma que você não pode reivindicar.

A mockery is your shining
Of Action, Pain, Desire.
On you is dashed all yearning
And the heart’s song of fire.

A zombaria é o seu brilho
De Ação, Dor, Desejo.
Em você está traçado todo o anseio
E a canção ardente do coração.

Grieving, we must turn grey,
End in despair and pain,
Then see the mockery
That Earth and Heaven remain;

De luto, devemos ficar cinza,
Terminar em desespero e dor,
Então veja a zombaria
Que a Terra e o Céu sustentam;

That, as we tremble even,
    And worlds within us drown,
    No tree trunk’s ever riven,
    No star goes plunging down.

Que, mesmo enquanto trememos,
E os mundos dentro de nós se afogam,
Nenhum tronco de árvore jamais se partiu,
Nenhuma estrela mergulhou.

Dead you’d be otherwise,
     Your grave the ocean blue,
    All gone, the shining rays,
    And all fire spent in you.

Você estaria morto de outra forma,
Seu túmulo, o oceano azul,
Tudo se foi, os raios brilhantes,
E todo o fogo gasto em você.

Truth you’d speak silently,
Not dazzle with dead light,
Nor shine in clarity;
    And all round would be Night.

A Verdade, você falaria silenciosamente,
Não ofuscada com luz morta,
Nem brilhante com clareza;
E tudo ao redor seria Noite.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.