Olhe para Cima: Janeiro 2022

Quais são as novidades para janeiro?

Janeiro começa com Lua Nova no dia 2. 

E isso significa que a primeira semana do mês é ideal para observar as estrelas, porque os poucos dias antes e depois da lua nova são os mais escuros. Saia por volta das 20h ou 21h durante toda a semana e olhe para o sul para se deslumbrar com todas as estrelas brilhantes do Verão Austral, junto com as Plêiades (Touro) e as 3 Marias (Orion) bem altas no céu.

Céu do Rio de Janeiro, noite de 2 de janeiro de 2022. Planetário Stellarium.

Comece um ano com uma bela Chuva de Meteoros

A chuva de meteoros Quadrantidas atinge seu pico na noite de 2 de janeiro e na manhã do dia 3. Esta tende a ser uma das melhores chuvas de meteoros do ano e frequentemente produz uma série de meteoros brilhantes chamados bolas de fogo. Este ano o pico coincide com a Lua Nova, proporcionando ótimas condições de visualização, desde que o céu esteja limpo. Você deve ser capaz de ver alguns meteoros nas noites anteriores e posteriores também.

Para obter a melhor visualização da Chuva de Meteoros Quadrantidas, encontre um local escuro, longe das luzes brilhantes da cidade, aponte seus pés aproximadamente para o nordeste e olhe para cima. 

No Rio de Janeiro, a Chuva de Meteoros Quadrantidas tem sua origem bem próxima ao horizonte Nordeste, o que dificulta sua visualização. Experimente ver a Chuva entre as 3 da manhã até antes do nascer do Sol.

Os meteoros parecem irradiar da Constelação de Boieiro, que inclui a estrela brilhante Arcturus. Mas eles podem aparecer em qualquer lugar no céu!

Geralmente, a melhor visualização é depois da meia-noite, uma vez que Boeiro se eleva acima do horizonte local. Quanto mais ao norte sua cidade estiver, melhor as chances de ver a Chuva de Meteoros.

Acredita-se que a fonte dos Quadrantídeos seja o Asteroide 2003 EH1, que pode ser na verdade um cometa extinto. 

196256 (2003 EH1) é um asteroide de tamanho médio cuja órbita se aproxima da órbita da Terra, mas não a cruza. A NASA JPL classificou o 2003 EH1 como um “Asteroide Perto da Terra” devido à proximidade de sua órbita com a Terra, mas não é considerado potencialmente perigoso porque as simulações de computador não indicaram qualquer probabilidade iminente de colisão futura.

2003 EH1 orbita o sol a cada 2.020 dias (5,53 anos), chegando a 1,19 UA e chegando a 5,05 UA do sol. Com base em seu brilho e na maneira como reflete a luz, o 2003 EH1 tem provavelmente entre 1.530 e 3.420 quilômetros de diâmetro, o que o torna maior do que 99% dos asteroides, quase comparável em tamanho ao Monte Everest.

Portanto, comece seu novo ano pegando algumas estrelas cadentes depois da meia-noite de 3 de janeiro.

Encontros Lunares

Em 5 de janeiro, olhe para o sudoeste após o pôr do sol para encontrar a Lua Crescente em um par próximo ao brilhante Júpiter. Os dois estarão separados por apenas cerca de 4 graus, o que deve fazer com que eles apareçam juntos pela maioria dos binóculos.

Céu após por do Sol na região sudoeste, Rio de Janeiro. Planetário Stellarium.

Então, no final do mês, em 29 de janeiro, se você acordar cedo, poderá avistar a Lua perto do Planeta Vermelho. Juntando-se ao par no céu sudeste estará Vênus. Tendo deixado os céus noturnos no mês passado, Vênus está agora se erguendo antes do Sol como a “Estrela da Manhã”. 

Agora, Marte está lentamente voltando à vista depois de passar atrás do Sol nos últimos meses. A NASA para de se comunicar com as espaçonaves em Marte por cerca de 2 semanas a cada dois anos, quando o planeta está diretamente oposto ao sol. Esse evento, denominado conjunção solar, ocorreu em outubro de 2021.

Céu na madrugada antes do Sol nascer, Rio de Janeiro. Planetário Stellarium.

Close em Lua e Marte na direção da Constelação de Sagitário. Planetário Stellarium.

Marte continuará brilhando e subindo ainda mais nos próximos meses, onde terá conjunções super próximas com Saturno e Júpiter!

Fique atento, Olhe para Cima!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.