Descoberta da Variante SARS-CoV-2 Ômicron

Capa: Esta imagem de microscópio eletrônico de transmissão mostra o SARS-CoV-2 isolado de um paciente nos EUA. Os picos na borda externa das partículas do vírus dão aos coronavírus seu nome, semelhante a uma coroa. Imagem capturada e colorida nos Laboratórios Rocky Mountain do NIAID (RML) em Hamilton, Montana. Crédito: NIAID. Acervo NIAID Flickr. Licença CC-BY-2.0.

Vírus mutantes?

Para se espalhar, um vírus precisa infectar um hospedeiro, ser replicado pelo hospedeiro para produzir muitas cópias de si mesmo.

Entretanto, quando um vírus é replicado, nem sempre o resultado é uma cópia exata de si mesmo. Isso significa que, com o tempo, o vírus pode começar a diferir em termos de sua sequência genética. Quaisquer alterações na sequência genética viral durante esse processo são conhecidas como mutações e vírus com novas mutações são às vezes chamados de variantes . As variantes podem diferir por uma ou várias mutações.

Quando uma nova variante tem propriedades funcionais diferentes do vírus original e se estabelece em uma população, às vezes é chamada de nova cepa do vírus. Em suma, todas as cepas são variantes, mas nem todas as variantes são cepas.

Todos os vírus sofrem mutação. A maioria das mutações não afetam as propriedades do vírus. No entanto, algumas mutações dão ao vírus uma vantagem seletiva, aumentando a probabilidade de infectar outra pessoa.

Mutações que têm uma vantagem seletiva podem ser aquelas que resultam em maior excreção viral – a liberação de partículas virais infecciosas no ambiente, por exemplo, quando falamos, tossimos ou espirramos – ou permitem que o vírus escape das respostas imunes do corpo.

Consequências potenciais de novas variantes incluem:

  • mudança na transmissibilidade  
  • diferença na gravidade da doença 
  • capacidade de evitar a detecção por testes de diagnóstico viral
  • suscetibilidade reduzida a tratamentos
  • capacidade de escapar da imunidade natural ou induzida por vacina. 

Fonte: WHO. Tracking SARS-CoV-2 variants. Disponível em https://www.who.int/en/activities/tracking-SARS-CoV-2-variants/.

“A Organização Mundial de Saúde (OMS), em colaboração com parceiros, redes de especialistas, autoridades nacionais, instituições e pesquisadores, monitora e avalia a evolução do SARS-CoV-2 desde janeiro de 2020. Durante o final de 2020, o surgimento de variantes que representavam um risco aumentado para a saúde pública global levou à caracterização de Variantes de Interesse (VOIs) e de Variantes de Preocupação (VOCs) específicas, a fim de priorizar o monitoramento e a pesquisa globais sobre essas variantes e, em última análise, informar a resposta em andamento à pandemia do COVID-19.  

A OMS e suas redes internacionais de especialistas estão monitorando as mudanças no vírus para que, se forem identificadas substituições significativas de aminoácidos, possam informar os países e o público sobre quaisquer mudanças que possam ser necessárias para responder à variante e impedir sua propagação. Globalmente, sistemas foram estabelecidos e estão sendo fortalecidos para detectar “sinais” de potenciais VOIs ou VOCs e avaliá-los com base no risco apresentado à saúde pública global. As autoridades nacionais podem optar por designar outras variantes de interesse/preocupação local. 

Reduzir a transmissão por meio de métodos e medidas de controle de doenças estabelecidos e comprovados, bem como evitar introduções em populações animais, são aspectos cruciais da estratégia global para reduzir a ocorrência de mutações que têm implicações negativas para a saúde pública”.

Quando a Organização Mundial da Saúde (OMS) decidiu classificar a cepa Omicron do novo coronavírus como variante preocupante, levou em consideração as recomendações de um grupo independente de especialistas que monitora e avalia periodicamente a evolução do SARS-CoV-2 e avalia se mutações específicas e combinações de mutações alteram o comportamento do vírus.

O chamado Technical Advisory Group on Sars-CoV-2 Evolution (TAG-VE) é um seleto grupo de cientistas que inclui em seu line-up uma virologista brasileira: a pesquisadora brasileira Dra. Marilda Mendonça Siqueira, chefe do Laboratório de Sarampo e Vírus Respiratórios do Instituto Oswaldo Cruz (IOC/Fiocruz).

O Technical Advisory Group on SARS-CoV-2 Virus Evolution (TAG-VE) é composto por 25 cientistas de excelência em diferentes especialidades, como virologia, bioinformática e epidemiologia. Eles também representam diferentes regiões do mundo. A Dra. Siqueira e um pesquisador chileno representam a América Latina.

A Variante B.1.1.529

O TAG-VE foi convocado em 26 de novembro de 2021 para avaliar a variante SARS-CoV-2: B.1.1.529.

A variante B.1.1.529 foi relatada pela primeira vez à OMS na África do Sul em 24 de novembro de 2021.

A situação epidemiológica na África do Sul foi caracterizada por três picos distintos nos casos relatados, sendo o último predominantemente a variante Delta. Nas últimas semanas de novembro de 2021, as infecções aumentaram acentuadamente, coincidindo com a detecção da variante B.1.1.529. 

A primeira infecção confirmada por B.1.1.529 conhecida foi de uma amostra coletada em 9 de novembro de 2021.

Esta variante tem um grande número de mutações, algumas das quais são preocupantes. As evidências preliminares sugeriram um risco aumentado de reinfecção com esta variante, em comparação com outros COVs. 

O número de casos desta variante aumentou em quase todas as províncias da África do Sul. Os diagnósticos atuais de PCR de SARS-CoV-2 continuam a detectar essa variante. Vários laboratórios indicaram que, para um teste de PCR amplamente utilizado, um dos três genes-alvo não é detectado (chamado de abandono do gene S ou falha do alvo do gene S) e esse teste pode, portanto, ser usado como marcador para essa variante, aguardando confirmação de sequenciamento. Usando essa abordagem, essa variante foi detectada em taxas mais rápidas do que surtos anteriores de infecção, sugerindo que essa variante pode ter uma vantagem de crescimento.

Há uma série de estudos em andamento e o TAG-VE continua avaliando essa variante. A OMS comunicará novas descobertas aos Estados Membros e ao público, conforme necessário.

Com base nas evidências apresentadas indicativas de uma mudança prejudicial na epidemiologia do COVID-19, o TAG-VE aconselhou a OMS que essa variante deve ser designada como VOC, e a OMS designou B.1.1.529 como VOC, denominado Ômicron.

Como tal, os países foram solicitados a fazer o seguinte:

  • aprimorar os esforços de vigilância e sequenciamento para entender melhor as variantes circulantes do SARS-CoV-2.
  • enviar sequências completas do genoma e metadados associados a um banco de dados disponível publicamente, como o GISAID.
  • relatar casos/grupos iniciais associados à infecção por VOC à OMS por meio do mecanismo do RSI.
  • onde houver capacidade e em coordenação com a comunidade internacional, realizar investigações de campo e avaliações laboratoriais para melhorar a compreensão dos potenciais impactos do VOC na epidemiologia do COVID-19, gravidade, eficácia das medidas sociais e de saúde pública, métodos de diagnóstico, respostas imunes, anticorpos neutralização ou outras características relevantes.

Os indivíduos são lembrados a tomar medidas para reduzir o risco de COVID-19, incluindo medidas sociais e de saúde pública comprovadas, como usar máscaras bem ajustadas, higiene das mãos, distanciamento físico, melhorar a ventilação de espaços internos, evitar espaços lotados e vacinar-se.

Variante de Interesse (VOI)

Para referência, a OMS tem definições de trabalho para SARS-CoV-2 Variante de Interesse (VOI) e Variante de Preocupação (VOC).

Um VOI de SARS-CoV-2 é uma variante de SARS-CoV-2:

  • com alterações genéticas que são previstas ou conhecidas por afetarem as características do vírus, como transmissibilidade, gravidade da doença, escape imunológico, escape diagnóstico ou terapêutico; 
  • que foi identificado como causador de transmissão comunitária significativa ou múltiplos aglomerados de COVID-19, em vários países com prevalência relativa crescente, juntamente com o aumento do número de casos ao longo do tempo, ou outros impactos epidemiológicos aparentes que sugerem um risco emergente para a saúde pública global. 

Variante de Preocupação (VOC)

Um VOC de SARS-CoV-2 é uma variante de SARS-CoV-2 que atende à definição de VOI (veja acima) e, por meio de uma avaliação comparativa, demonstrou estar associada a uma ou mais das seguintes alterações em um grau de importância para a saúde pública global:

  • aumento na transmissibilidade ou mudança prejudicial na epidemiologia da COVID-19; ou
  • aumento da virulência ou alteração na apresentação clínica da doença; ou
  • diminuição da eficácia das medidas de saúde pública e sociais ou diagnósticos, vacinas, terapêuticas disponíveis.

Fonte: WHO News. Classification of Omicron. Disponível em https://www.who.int/news/item/26-11-2021-classification-of-omicron-(b.1.1.529)-sars-cov-2-variant-of-concern.

Entre as VOCs do SARS-CoV2, temos:

  • B.1.1.7. Variante Alfa. Maio, 2020. identificada pela primeira vez no Reino Unido, contém muitas mutações, várias das quais estão na proteína spike (a proteína usada para entrar nas células do nosso corpo). Esta variante está associada a uma maior transmissibilidade.
  • B.1.351. Variante Beta. Agosto, 2020. Identificada pela primeira vez na África do Sul. Tem as mesmas mutações que Alfa (transmissibilidade aumentada) e também contém duas outras mutações  que parecem tornar mais difícil para os anticorpos se ligarem e destruírem.
  • P1. Variante Gama. Identificado pela primeira vez em um grupo de viajantes do Brasil, que foram testados em um aeroporto no Japão. Contém mutações semelhantes à variante B.1.351. 
  • B.1.617.2. Variante Delta. Outubro, 2020. Identificada pela primeira vez na Índia. Estudos preliminares mostram que a mutação Delta se espalha mais facilmente do que outras variantes e requer mais estudos. Sintomas apresentam diferenças. Reduz eficácia em vacinas. Pode proteger contra casos graves.
  • B.1.1.529. Variante Ômicron, Novembro, 2021. Identificada pela primeira vez na África do Sul. Atualmente em muitos países. Esta variante tem um grande número de mutações, algumas das quais são preocupantes. Evidências preliminares sugeriam um risco aumentado de reinfecção com esta variante, em comparação com outras variantes preocupantes”.

Fonte: Wellcome. What is a variant? Divya Shah. Disponível em https://wellcome.org/news/what-variant-expert-explains.

Como os primeiros estudos indicaram, se espalhou rapidamente globalmente, se tornando preponderante em vários países. A variante Ômicron é mais infecciosa e menos agressiva. E, comparando, com outras pandemias anteriores, como a Gripe Espanhola, pode indicar um marco para o final da pandemia. Entretanto, a Organização Mundial de Saúde, em parceria com os países colaboradores, ainda precisam manter uma monitoração firme das variações.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.